A base do Brasil na Era de Ouro do Futebol

Published On 20/01/2015 | Feitos Históricos

É imprescindível contar a história das grandes seleções do futebol mundial, ao longo da história, sem mencionar os times que formaram as respectivas bases de selecionados em Mundiais. Times estes, que apresentaram, popularizando e praticando as “essências do futebol”, mostrando o modelo tático e a forma de jogar, caracterizada de cada país no futebol ao longo da história.
A importância de uma instituição para o desenvolvimento, crescimento e difusão do futebol de seu respectivo país, esta relacionada às grandes contribuições, sendo esta, por parte dos clubes, uma das formas mais sublimes e legitimáveis. É em alguns casos da história, comumente assim se ver, clubes que formaram esquadrões e dominaram o futebol mundial, ao mesmo tempo, em que seus respectivos países com as seleções.

Seleção Futebol Clube.

1904099_605080319575139_1615868056_nO Santos FC ajudou, contribuiu e formulou o Brasil a se tornar um país representativo no futebol mundial. O clube dominou o futebol brasileiro e mundial nos anos de 1960, onde foi campeão de tudo que existia mais de uma vez, com jogadores extraordinários, que através de excursões internacionais: mostraram,  propagaram e difundiram ao mundo a essência do futebol brasileiro, o chamado “Futebol Arte”. Ao longo da história, o SFC transformou-se em um clube de um legado único dentro do futebol, e se estabeleceu como o grande Embaixador do Futebol Brasileiro, com sua filosofia de jogo, feitos históricos, façanhas diversas, os recordes e marcas alcançadas, mostrando a pujança e opulência do seu valor inestimável.
No seu período mais sublime, o Santos foi o clube que popularizou o futebol brasileiro através do “Futebol Arte”, praticado no Brasil para o mundo. Com isso, tornou-se revolucionário e famoso, nobre, protagonista da era de ouro do país, considerado maior de todos os tempos, no que ficou conhecido como Santos de Pelé, chamado de “A Catedral do Futebol Brasileiro” pelo presidente João Havelange. O clube do DNA ofensivo, através das conquistas e excursões mundo a fora, se transformou no objeto diplomático do país, ajudando o país (Brasil) a se tornar o país do futebol.
Uma de suas contribuições mais importantes nesse processo, foi quando formou a base do país durante toda a “Era de Ouro do Futebol Brasileiro”, época em que o país tornou-se Tricampeão Mundial de futebol e obteve a conquista definitiva da Taça Jules Rimet. Contudo, o Santos FC foi o clube Sul-Americano com mais convocações de campeões mundiais por uma Seleção (15 selecionados campeões) no Século XX.
1044120_514124708708947_831724510_n
Ao longo das Copas do Mundo, o Santos Futebol Club teve 16,4% (9 atletas) de jogadores que podem se considerar titulares em Copas do Mundo, de um total geral de 55 possíveis jogadores (11 titulares) ao todo na Seleção Brasileira (mesmo número do Botafogo que também teve 16,4% de jogadores titulares em Copas do Mundo). Num somatório, por selecionados campeões, o Santos tem 13% de convocados campeões mundiais pela Seleção, de um total geral de 111 jogadores nas cinco copas.
São 11 jogadores titulares num selecionado, de um total geral de 55 Jogadores no somatório das cinco Copas do Mundo conquistadas pelo Brasil. Partindo disso, temos:
Titulares do Santos em Copas: 9 selecionados campeões = 17% de campeões.
Pelé (3), Zito (2), Mauro Ramos (1), Gylmar (1), Clodoaldo (1), Carlos Alberto (1).

OBS 1: considerando titular os que tiveram maior porcentagem ou que mais jogaram em cada Copa.
OBS 2: Pelé como um titular em 1962, sem Pelé o total fica 14,6 de titulares.

O Botafogo se equivale ao Santos, pois teve 3 titulares na Copa de 1958, 4 na Copa de 1962 (+ 1 a partir, da contusão de Pelé) e 1 na Copa de 1970, no total o Botafogo também teve 16,4% de titulares em Copas.

Portanto, Botafogo e Santos são os clubes com mais titulares em Copas do Mundo.
Participações de Santistas por Copas: 15 convocações = 13% de campeões.
Copa de 1958: 3 Santistas (Pelé, Zito e Pepe) de 22 jogadores.
Copa de 1962: 7 Santistas (Pelé, Zito, Mengálvio, Pepe, Coutinho, Mauro Ramos e Gylmar) de 22 jogadores.
Copa de 1970: 5 Santistas (Pelé, Clodoaldo, Carlos Alberto Torres, Joel Camargo e Edu) de 22 jogadores.
Copa de 1994: 22 jogadores.
Copa de 2002: 23 jogadores.

Total geral = 111 jogadores

No Século XX, o Santos Futebol Clube foi o clube Sul-Americano com mais convocação de Campeões Mundiais pela Seleção. No total histórico, o Santos FC é o clube brasileiro com mais convocações de jogadores campeões em mundiais (15).
10428078_638923519524152_8806035970519106561_n

Determinados esquemas táticos, modelos ou formas de jogar o futebol, praticado por clubes e seleções, em alguns casos numa mesma época, tornaram-se bastante famosos e promoveram a história desse esporte. Confundidos, misturados e aperfeiçoados foram expressos por clubes ou seleções, numa mesma época ou não. Veja casos históricos:
10711018_699828170100353_5537692463862617925_n
O Santos FC é uma essência do futebol, do DNA ofensivo, é o clube brasileiro que melhor representou o Brasil mundialmente. É o maior representante e praticante do modelo de jogar brasileiro, conhecido como “Futebol Arte” (Futebol ofensivo, bem jogado e com muitos gols). Foi à base da Seleção em toda a “Era de Ouro do Futebol Brasileiro”. Em 1970 formou á principal base da maior Seleção de todos os tempos, segundo diversas enquetes mundiais.
imagem3Na mesma época, um dos clubes mais importantes do mundo, formava com o Santos a base da Seleção Brasileira, alem de dividir as atenções pelo futebol praticado em general Severiano, o Botafogo de Garrincha foi um grande Esquadrão, fundamental e indispensável ao tricampeonato da Seleção, esse tinha a essência do futebol carioca (a ginga e o samba na forma de jogar), com Garrincha e companhia.
Destacou-se, por exemplo, também, o modelo Italiano conhecido como “Catenaccio” (sistema tático que postulava uma marcação rígida reunido com folga como uma arma ofensiva), praticado principalmente por Juventus e a grande Internazionale na década de 60, que dominou o futebol europeu, alem é claro, da Seleção Italiana nas Copas do Mundo.
Nos anos 60 ainda, o famoso “4-4-2 Inglês do English team”, criado pelo técnico Alf Ramsey, conseguiu levar a Inglaterra a sua única conquista de Copa do Mundo, em 1966, batendo outra Seleção Histórica, a de Portugal do atacante Eusébio, onde os encarnados do Benfica formavam a base da épica equipe.
netherlands_1974_jpgApós a derrota da Internazionale na final da Liga dos Campeões em 1972, para o famoso Ajax de Cruyff que era à base da seleção Holandesa e que dominou a Europa e o mundo nos anos 70, o “Catenaccio Italiano” cedeu espaço a um modelo revolucionário, mundialmente conhecido como “Futebol Total” ou “Carrossel Holandês” (é um sistema em que os jogadores saem constantemente de suas posições de jogo originais e são substituídos por outros jogadores do time, sem perder a sua estrutura de jogo. Neste sistema, nenhum jogador tem uma posição de jogo fixa, funciona com jogadores atentos taticamente, permitindo-os alternar posições em alta velocidade – em outras palavras, todo jogador está apto a desempenhar qualquer outra função. Também cobra um grande esforço técnico e físico dos jogadores), onde o mundo observou atentamente a Holanda de Cruyff, Vice-Campeã nas Copas do Mundo de 1974 e 78.
O Bayern de München de Beckenbauer, base da Alemanha na Copa, sucedeu o trono do Ajax de Cruyff na Europa e no futebol mundial. Nesse mesmo momento a Alemanha conquistou a Copa do Mundo de 1974, com uma geração e forma de jogar menos brilhante, porem, mais objetiva e Campeã Mundial. Os bávaros praticavam um futebol coletivo e ofensivo.
2929691219_1_3Atualmente o Barcelona dominou o futebol mundial, assim como a Seleção Espanhola, praticando com excelência o “Tik-Taka” (sistema de jogo no futebol caracterizado por passes curtos e movimentação, trabalhando a bola por várias aéreas do campo, e mantendo a posse de bola), modelo também reconhecido como praticado, assim como o futebol total pelo Honved e a Seleção da Hungria nos anos 50.
Outras equipes e Seleções, que ficaram marcadas por dominaram o futebol ou não, com um modelo e esquema de jogo famoso, com uma grande geração de craques de seus respectivos países, estimulando esquemas tácticos, foram:
– O “Ferrolho Suíço” da Seleção Suíça de 1938 é à base do “catenaccio”, criado por Karl Rappan.
– A La Máquina do River Plate que reuniu para muitos a maior geração de craques Argentinos na década de 40.
– O Grande Torino também nos anos 40.
– O Peñarol e o Nacional nos períodos de 20/30 junto com a Seleção Uruguaia, com um modelo “ofensivo e de muita raça num 2-3-5” da primeira grande Seleção que o mundo conheceu.
– Na década de 60 o mesmo Peñarol retraduziu e o famoso Manchester United de Charlton e Edwards na Europa.
O FIFA.COM fez uma analise e relembrou alguns clubes base de suas seleções e que dominaram o futebol mundial ao mesmo tempo:

Fifa (2) Fifa (1)


Fontes: FIFA.COM, Yahoo Esportes, Livro Esquemas táticos do futebol.
 

2 Responses to A base do Brasil na Era de Ouro do Futebol

  1. Sergio Sampaio says:

    Tudo que o futebol brasileiro significa é graças ao Santos. O Botafogo não popularizou o nosso futebol, não ganhou nada lá fora, nenhum outro popularizou. já o santos ganhou tudo e ainda foi a base do brasil.

  2. Evaldo Cunha says:

    Achei excelente o texto, e os números abordados! A conta ainda poderia ser bem maior, tanto de atletas titulares, quanto de campeões selecionados. Infelizmente, talvez pelas muitas viagens e jogos do Santos mundo a fora na década de 60, o desgaste físico foi enorme, e os atletas em meio a disputa de competição e jogos pela Seleção, acabaram se machucando, casos de Coutinho e Pepe, provavelmente. Em 1970, poderia ter sido ainda maior! O Saldanha nunca escondeu que sua base era o Santos, já o Zagallo, boicotou os atletas santistas, tanto que a conta caiu de 9 para 5 no Mundial no México – certamente a maior vítima foi Toninho Guerreiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *