A grande decisão

Published On 16/11/2016 | Jogos Históricos, Mundial Interclubes
Por Gabriel Santana
Santos, 16/11/2016

Após dois incríveis confrontos entre Santos e Milan, era chegada a hora do último duelo. Os italianos estavam confiantes e contando vitória, mesmo após terem perdido o segundo confronto por 4×2.
Estádio Maracanã, recorde de público. 129.252 pessoas presentes. Em disputa, o título de Campeão do Mundo!

O JOGO
A partida iniciou-se com os nervos a flor da pele. O quadro italiano estava demasiadamente agitado e intranquilo.
Logo aos 8 minutos, a zaga do Milan proporciona a primeira grande confusão. Um tumulto generalizado a frente do gol de Balzarini, onde os atletas santistas também se envolveram. A partida ficou parada por volta de 7 minutos, e o goleiro italiano teve que ser substituído.
O Santos era melhor na partida, e criava as melhores chances de gol. O Milan utilizada da força bruta, e só conseguia parar o ataque do Alvinegro com perigosas infrações.
1963-11-16-santos-1-x-0-milan-ita-7

Maldini comete pênalti em Almir e é expulso de campo! (Foto/Revista Bola Alvinegra)

A altura dos 25 minutos, Almir recebe lindo lançamento dentro da área, e o zagueiro italiano Maldini, ergue o pé em direção de sua cabeça, cometendo penalidade máxima. Enfurecido, o zagueiro parte pra cima da arbitragem, e acaba sendo expulso.
Dalmo foi o encarregado da cobrança, e com enorme segurança e categoria, toca no canto esquerdo do goleiro, para abrir o marcador a favor do time santista. Santos 1×0 Milan, e o Bicampeonato Mundial estava mais próximo do que nunca.
O Alvinegro já era melhor na partida, e com um gol a favor e um jogador a mais, tomou conta das ações do jogo.
Seis minutos depois, em cobrança de falta batida por Pepe, Almir balança as redes, porém, o árbitro assinala falta do camisa 10.
Ainda no primeiro tempo, aos 43, Dorval tem a última chance santista de ampliar, porém, desperdiça a oportunidade.
Nos minutos finais, Ismael revida provação do atacante Amarildo, e sem pensar muito, aplica uma cabeçada no ex-botafoguense. Prontamente o lateral santista é expulso, e ambas as equipes ficam com 10 atletas em campo.
SEGUNDO TEMPO
Mais discreto no segundo tempo, o time santista da prioridade a marcação, e começa a atuar pelos contra-ataques. Com a expulsão de Ismael, Dorval é descolado para atuar na lateral, e defensivamente, a equipe santista acaba ficando um pouco mais vulnerável.
Já o Milan, com mais facilidade arruma seu sistema defensivo, e começa a contra golpear demasiadamente o Alvinegro em busca do empate.
Em uma noite inspirada, a zaga santista não deixa passar nada, e os italianos começam a se desesperar ao ver o tempo passar.
Sem sucesso nas tentativas de arremate a meta do Santos, os atletas milanesas começam a “apelar”. Ao todo, o Milan cometeu 41 faltas. Já a equipe santista, 18.
O Alvinegro não pôde exibir todo o seu futebol devido as inúmeras paralisações e infrações cometidas pelo seu adversário. Levou os últimos minutos da partida na base da vontade e da raça.
Aos 42, o Santos ainda tem uma chance com Pepe, porém, o goleiro italiano intercepta a jogada.
No último lance da partida, Gylmar neutraliza com firmeza cruzamento de Mora, dando fim as espereças de empate aos italianos.
O árbitro decreta fim da partida, para delírio dos atletas do Santos e todo o público presente no Estádio do Maracanã.
O Santos sagrava-se Bicampeão do Mundo.
1963-11-16-santos-1-x-0-milan-ita-5

Festa santista no Maracanã! (Foto/Revista Bola Alvinegra)


Ficha Técnica:
16/11/1963 – Santos 1 x 0 Milan-ITA
Gol: Dalmo de pênalti aos 34min do primeiro tempo.
Local: Estádio Maracanã, no Rio de Janeiro.
Público: 120.421 pagantes + 8.835 gratuitos (129.252)
Renda: Cr$ 91.546.000,00
Árbitro: Juan Brozzi (Argentina);
Expulsos: Maldini (M) e Ismael (S);
Santos: Gylmar; Ismael, Mauro, Haroldo e Dalmo; Lima e Mengálvio; Dorval, Coutinho, Almir e Pepe. Técnico: Lula
Milan: Balzarini (Barluzzi); Davi, Maldini e Trebi; Trapattoni e Pelagalli; Mora, Lodetti, Fortunato, Mazzola e Amarildo. Técnico: Luis Carniglia

Fontes e Referências:
Jornal A Gazeta Esportiva;
Revista Bola Alvinegra;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *