A primeira geração de Meninos da Vila (1978/79)

Published On 28/08/2015 | Meninos da Vila

Na segunda metade da década de 1970, o Santos passava por um período complicado na sua história, a questão econômica começou a ser sentida com a ausência das tradicionais excursões que ocorriam em menor frequência, outro problema que ocasionava eram os calendários absurdos montados pela FPF e a CBF na década de 1970, além disso, Pelé havia se despedido do futebol e o SFC passou a viver uma crise existência. Em meio a problemas citados, gradativamente o clube entrou numa crise técnica e financeira. O auge da crise ocorre entre 1976 (terrível situação financeira começava a se aflorar) e começo de 1978, resultando em brigas nas arquibancadas com os torcedores revoltados e o time com maus resultados nas competições. Mais, foi nesse período tenebroso, que a capacidade de reinvenção e de superar dificuldades do clube entrou em cena, surgiram sob a batuta do técnico Formiga, os chamados: “Meninos da Vila” (Pita, Juary, Rubens Feijão, Claudinho, Toninho Vieira, Zé Carlos, Joãozinho, Nilton Batata, João Paulo e Ailton Lira).
O Santos tinha na época, na presidência do clube Rubens Quintas, como vice de futebol profissional, José Ely de Miranda, o Zito, como diretor de futebol, José Rubens Marino, entre outros nomes importante, e foi com esse grupo administrativo que o Peixe tentou buscar uma solução para o mal momento vivido e, assim, apostou numa velha forma de sucesso: contar com garotas da base, que a partir daquele ano, seria batizada para sempre na história do clube. O técnico Chico Formiga, sabendo da impossibilidade da diretoria de buscar grandes reforços para o time, foi buscar na base santista uma solução, e foi apostando seu futuro em garotos que de modo, surpreendente, o SFC conquistou o longuíssimo Campeonato Paulista de 1978 (terminado em 1979), apresentando um futebol em ritmo de discoteca, a garotada santista jogava por música, o lema era “canta, dança e joga”, o Santos foi a sensação do futebol brasileiro.
imagem1041
O técnico Formiga implantou um trabalho gradativo e bem feito, postulando sua filosofia aos jogadores promovidos da base, como Juary, Nilton Batata, João Paulo e Rubens Feijão, deu subsídios necessários ao futuro craque Pita para integrar o elenco de cima, que formou uma dupla de craques no meio campo com Aílton Lira, e depois durante o ano foi subindo outros garotos, como: Zé Carlos, Toninho Vieira, Cardim, Claudinho e Célio. O time engrenou durante o Campeonato Paulista, virou a sensação da competição. Os garotos ganharam personalidade e conjunto, jogavam de igual para igual frente ao poderoso Corinthians de Sócrates, Zé Maria, Wladimir e Cia., atropelavam o São Paulo de Waldir Peres, Serginho e Zé Sérgio, e batiam os fortíssimos times de Campinas (Guarani e Ponte Preta), comandados por Careca, Zenon, Renato, Dicá, Lúcio, Carlos, Oscar e etc. A consagração final ocorreu batendo na decisão o forte São Paulo (Campeão Brasileiro em 1977), enchendo de orgulho e renovando as esperanças e satisfações alvinegras.

Formiga - Treinador (2)

Chico Formiga assumiu a equipe, começando uma renovação gradativa. Ele manteve os experientes laterais Nélson e Gilberto, ambos vindos do São Paulo, segurou Aílton Lira e o zagueiro Neto recém-chegados da Caldense, e o ponteiro Nilton Batata do Atlético Paranaense, além de acreditar nas recentes contratações dos dois desconhecidos “Joãozinhos”, o zagueiro do Vitória manteve o nome, enquanto o ponteiro esquerdo, oriundo do São Cristóvão, passou a se chamar João Paulo.
11081288_449846588504027_868463418657052434_nO Campeonato Paulista de 1978 foi o mais longo de todos os Campeonatos promovidos pela FPF (Federação Paulista de Futebol), iniciado em 20 de agosto de 1978 e terminando em 28 de junho de 1979. Para conquistar o título e levar o enorme troféu do certame para a Vila Belmiro, o Santos jogou o incrível número de 56 partidas (o campeonato teve 3 turnos, mais semifinal e final) vencendo 26 jogos, empatando 16 e perdendo 14 partidas, marcando 80 e sofrendo 47 gols. Os grandes destaques da equipe, foram o centroavante Juary (artilheiro do Campeonato com 29 gols), Pita, Nilton Batata, João Paulo e Ailton Lira, além de outros bons nomes. O peixe praticava um futebol envolvente e alegre, ofensivo e rápido, típico da história do clube com os garotos que até hoje sobem ao time principal.
As decisões do Campeonato Paulista de 1978 ocorrem apenas no ano de 1979 e, foram o momento de coroação ao melhor time do certame, o Santos venceu o primeiro jogo por 2 a 1 no Morumbi/SP (dia 24/06), com show da dupla Pita e Juary, empatou a segunda partida no mesmo Morumbi/SP por 1 a 1 (dia 24/06) e na terceira e decisiva partida que ocorreu no dia 28 de junho de 1979, perante um público de 80.488 espectadores, numa noite de inverno no estádio do Morumbi/SP, o Santos veio a campo, com: Flávio; Nelsinho Batista, Antônio Carlos, Neto (Fernando) e Gilberto Sorriso; Zé Carlos, Toninho Vieira e Pita (Rubens Feijão); Nilton Batata, Juary e Claudinho. O técnico era o saudoso Francisco Ferreira de Aguiar, o popular Chico Formiga. E com esse saudoso time, o Peixe sagrava-se Campeão Paulista referente ao ano de 1978, com a torcida santista que lotou as arquibancadas vibrando intensamente com os meninos craques da vila, sendo este o 14ª título estadual da história santista.

1978 - Campeão Paulista


 

Comments are closed.