A vitória contra a Seleção vice-campeã do mundo!

Published On 20/02/2015 | Histórias, Jogos Históricos
Por Gabriel Santana
Santos, 20/02/2015
Atualizado, 16/01/2017

Durante o Torneio Hexagonal do Chile de 1965, o Santos e a Seleção da Tchecoslováquia, a então atual vice-campeã do mundo, protagonizaram um dos maiores jogos do futebol da história.
Ainda com alguns jogadores que enfrentaram o Brasil na Copa de 1962, como Populhar, Masopust, Pospihal, Kavnasck, a Seleção Tcheca era uma das mais fortes do mundo. Já o Santos, um dos maiores clubes do mundo.
Certamente, o país chileno nunca mais presenciou nada parecido.

A PARTIDA

O Santos iniciou melhor a partida, mesmo com as duas equipes bem parelhas tecnicamente. Até mesmo nos uniformes, estavam parecidas. Fato esse que começou a incomodar o árbitro e alguns jogadores. Por conta disso, o chileno Rafael Hormazabal interrompeu a partida aos 11 minutos, e pediu ao capitão santista Zito a troca de uniforme do Santos. O Alvinegro estava todo de branco, como de costume, e Seleção Tcheca estava também com seu uniforme tradicional, com seus calções também brancos. Pouco antes da partida, os tchecos ganharam o direito de escolher o uniforme. O Santos foi ao vestiário e retornou após 7 minutos, com calções azuis, emprestados pelos dirigentes da Universidad do Chile.
Com a bola rolando, o Alvinegro já havia criado melhores chances de gol, e marcou o seu primeiro tento aos 27 minutos de jogo. Em rápido contra-ataque, Coutinho e Pelé trocam passes rápidos, envolvendo a zaga tcheca, e perto da área, o Rei prende a bola e solta para o centroavante, que avança sozinho e chuta sem chances para o goleiro.
A resposta da Seleção foi rápida, e aos 32, empata a partida com o centroavante Masny. O Santos aparentemente se desequilibrou, e logo na saída de jogo, os Tchecos recuperaram a bola, e em um lindo lançamento de Masopust, Rath ficou livre cara a cara com Gylmar, para decretar a virada da Seleção.
Com a vitória no placar, a Tchecoslováquia recuou, forçando o término da primeira etapa. O time Alvinegro avançou e dominou o jogo, criando diversas oportunidades. Pressionou por mais de cinco minutos seguidos, até sair o gol de Pelé nos acréscimos. O goleiro Schmueker imaginou que o Rei fosse cruzar na área, e foi surpreendido quando ele chutou direto para o gol. Goleiro adiantado, genialidade do Rei. Era o empate santista, mais do que justo. 2×2.
Na segunda etapa o Santos voltou melhor. Logo aos cinco minutos, Pelé finta dois jogadores, e passa para Dorval, livre, desempatar a partida. 3×2.
Mesmo atrás do placar, a Seleção Tcheca só jogava no contra-ataque, e mesmo assim levava perigo a meta de Gylmar. Aos 18 minutos, em um desses ataques rápidos, novo empate. Em um belo chute cruzado, Valseck chutou sem chances para o arqueiro santista. 3×3. Dessa vez o Alvinegro de Vila Belmiro não se abalou, e dois minutos depois, Coutinho desempata mais uma vez a partida! Após belo lançamento de Zito, Coutinho fica de frente a  Schmueker, e não perdoa. 4×3.
O capitão Zito e o coringa Lima domingavam o meio de campo. Mesmo com uma lesão, o camisa 5 realizada uma linda jornada. Aos 30 minutos, devido ao grande desgaste, foi substituído por Mengálvio, que manteve o ritmo do meio campo santista.
A Seleção da Tchecoslováquia também fez alterações, e melhorou no jogo. Conseguiu empatar a partida aos 37 minutos, com Kadraba. Porém, a felicidade dos europeus durou pouco. Cinco minutos depois, Pelé desempatou novamente, com um lindo petardo de fora da área.
Já nos acréscimos, Pelé literalmente achou forças para ampliar o marcador. Recebeu a bola no meio de campo, e fintou todos os adversários que encontrou pela frente, até parar no fundo das redes. Santos 6×4 Seleção da Tchecoslováquia.
 Ao final da partida, a torcida aplaudiu de pé o espetáculo. Um jornal definiu a sensação que a partida deixou nos chilenos com o título: “Em nenhum lugar do mundo se viu um futebol assim”.

FICHA TÉCNICA:
16/01/1965 – Santos 6 x 4 Seleção da Tchecoslováquia
Gols: Coutinho aos 27min, Masny aos 32min, Rath aos 34min e Pelé aos 45min do primeiro tempo; Dorval aos 5min, Valseck aos 18, Coutinho aos 20min, Kadraba aos 37min, Pelé aos 42min e aos 48min do segundo tempo.
Local: Estádio Nacional, em Santiago, Chile..
Árbitro: Rafael Hormazabal
Santos: Gylmar; Ismael, Modesto, Haroldo e Geraldino; Zito (Mengálvio) e Lima; Dorval, Coutinho (Peixinho), Pelé e Pepe (Toninho).
Tchecoslováquia: Schmueker; Lala, Popluhar e Maes; Geleta e Pluskal; Pospihal, Rath (Kavnasck), Masopust (Benc), Masny e Valseck.

Fontes e Referencias:
“Almanaque do Santos FC, de Guilherme Nascimento”;
“Santos, 100 anos, 100 jogos e 100 ídolos, de Odir Cunha”;
“Jornal “A Tribuna, de Santos”;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *