Melhores desempenhos defensivos

Published On 19/09/2017 | Estatísticas
Por Kadw Gomes

Abordar o aspecto defensivo na história do Santos nunca foi algo destacado. Não é que tenham faltado grandes zagueiros e excelentes sistemas de defesa, inclusive, alguns foram dos melhores da história do futebol. Porém, foge do que é o DNA santista: a vocação de marcar gols. Fato que acaba ofuscando a defesa.
Mas não é por isso que, as grandes performances defensivas do clube, devam ficar no esquecimento e serem tratadas como irrelevantes. Assim, a abordagem defensiva é retratada no aspecto de performance em médias de gols sofridos, trazendo curiosidades no retrospecto histórico: 

ANOS COM MENORES MÉDIAS DE GOLS SOFRIDOS
ANO   J    V   E    D   GM  GS  MGM   MGS     AP

1990  68  23  32  13  610  48   0,89   0,70  49,50%
1973  80  46  21  13  155  58   1,93   0,72  66,25%
1989  69  27  26  16  780  51   1,13   0,74  51,69%
1991  65  21  27  17  640  48   0,98   0,74  46,15%
1980  71  37  19  15  105  55   1,48   0,77  61,03%
1984  73  38  21  14  110  57   1,51   0,78  61,64%
1987  70  28  28  14  780  58   1,11   0,83  53,33%
1988  67  27  19  21  650  58   0,97   0,87  49,75%
1971  78  41  23  14  123  69   1,58   0,88  62,39%
1975  73  37  17  19  105  64   1,44   0,88  58,44%
1974  72  37  20  15  108  65   1,50   0,90  60,64%
1978  71  26  26  19  980  64   1,38   0,90  48,82%

2016  68  38  17  13  113  62   1,66   0,91  64,21%
1983  81  41  27  13  125  75   1,54   0,93  61,72%
2006  69  37  16  16  105  65   1,52   0,94  61,35%
1979  85  43  22  20  131  80   1,54   0,94  59,21%
1976  65  24  24  17  650  61   1,00   0,94  49,23%
2015  71  40  15  16  120  68   1,69   0,96  63,38%
2014  68  36  13  19  114  65   1,68   0,96  59,31%

– Cabe destacar que, abordagem anual, é diferente de temporada. Uma temporada pode encerrar somente no ano seguinte. Portanto, nossos dados são estabelecidos Ano a Ano.
– No ano de 1915 o Santos também sofreu menos de um gol/jogo (0,89). Porém, esse ano não é considerado, devido não apresentarem competições principais a nível de estado ou descontinuidade nas mesmas.
– Legendas: Ano; J – Jogos; V – Vitórias; E – Empates; D – Derrotas; GM – Gols marcados; GS – Gols sofridos; MGM – Média de gols marcados; MGS – média de gols sofridos; AP – aproveitamento anual. 

 Durante a década de 1980, o Santos saiu das suas características: não teve ataques de elevação e a defesa prevaleceu. No topo de desempenhos defensivos aparece o ano de 1990 (5º no estadual e 7º no Brasileiro), equipe ideal formada com Sérgio Guedes, Índio, Pedro Paulo, Luiz Carlos e Flavinho; César Sampaio, Axel (Sérgio Manoel) e Edu Maragón; Almir, Serginho Chulapa (Paulinho) e Ney. Praticamente a mesma equipe em 1991 apresentou a 3º melhor defesa da história.
Além disso, outras cinco edições na década de 80 tiveram realce: 1989, 1980, 1984, 1987, 1988 e 1983, nessa ordem.
Os anos que ocorreram as melhores performances defensivas aliadas aos resultados foram 1983 e 1984, ocorrendo o vice-brasileiro e o título paulista, respectivamente.
Apresentando bons aspectos de desempenhos (entre outros, dois títulos Paulistas e um 3º lugar no Brasileiro), a década de 1970 também mostrou a maior quantidade de anos em termos defensivos. Foram oito edições com médias abaixo de um gol por jogo: 1973, 1980, 1971, 1975, 1974, 1978, 1979 e 1976.
Cabe apresentar a formação ideal de 1973, armada pelo técnico Pepe (ex-ponta-esquerda e ídolo santista), equipe de maior ataque no Brasileiro e que conquistou o Campeonato Paulista: Cejas; Hermes, Marinho Peres (Vicente), Carlos Alberto e Zé Carlos; Clodoaldo e Léo Oliveira; Jair da Costa (Brecha), Euzébio, Pelé e Edu. No ano seguinte, o time do melhor ataque do Brasil também faria grande campanha no Brasileiro.
Importante perceber, que nas três conquistas do Santos num período de onze anos (1973 a 1984), coincidiu ocorrer grandes performances defensivas.
Já nos anos entre 1989 a 91, os resultados foram medianos. Porém, os desempenhos defensivos se destacaram: três das seis melhores defesas da história.
Depois dessas duas décadas, somente o século XXI apresentou sistemas defensivos que sofreram menos de um gol por jogo. O ano de 2016, quando o Santos foi vice-campeão brasileiro e Bi-Campeão Paulista, aparece como o melhor. A edição de 2006 também merece menção, ano de título paulista e boas campanhas – como o 4º lugar no Brasileiro. E, por fim, curiosamente, estão os anos de 2015 (ano de outra conquista estadual) e 2014.

Fontes e Referências:
Almanaque do Santos FC (Guilherme Nascimento);
Centro de Memória e Estatística do Santos FC;

2 Responses to Melhores desempenhos defensivos

  1. Carlos Alberto Togneri says:

    Olá Amigos

    Parabéns pelo excelente trabalho, mas revejam o cálculo dos anos de 1974 e 1978 pois o valor correto é 0,90 gols sofridos/média e não 0,09 como informado. Com isso, a temporada de 1990 que possui o melhor resultado.

    Grato, Carlos

    • Kadwgomes says:

      Sua participação é muito importante Carlos Alberto. O Acervo agradece, corrigimos o equivoco. Continue participando!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *