O primeiro título Brasileiro!

Published On 23/12/2015 | A História das conquistas
Por Kadw Gommes
Santos, 07/05/2014
Atualizado, 23/12/2015

Há alguns anos o Santos FC já dava mostras da grandeza do seu incomparável esquadrão, com formidáveis apresentações fora e dentro do país, conquistando títulos e apresentando um futebol magico e diferenciado. O Alvinegro já formava a base da Seleção Brasileira e contava com a espinha dorsal do time que conquistaria o mundo tempo depois, com destaque para sua linha de ataque então consolidada, uma das maiores do mundo que costumava massacrava os adversários, formada por Dorval, Mengálvio, Coutinho, Pelé e Pepe.
Através de excursões pelas Américas e Europa sob inúmeros aplausos e elogios do público estrangeiro, a equipe assegurou algumas taças no começo do ano para a galeria de troféus do clube: Triangular de Costa Rica, Pentagonal de Guadalajara, Bicampeonato do Torneio de Paris e Torneio Itália. No final da temporada, conquistaria ainda o Bicampeonato Paulista (1960/61). Porém, foi com a conquista do Campeonato Paulista de 1960, que o clube havia assegurado a segunda qualificação de sua história ao Campeonato Brasileiro (Taça Brasil) em 1961. Sendo este, seu principal objetivo do ano, que possibilitaria confirmar em absoluto seu status de melhor clube do país, além de uma vaga na Copa Libertadores da América (Copa dos Campeões da América) em 1962.
Em 1959, o Santos pela primeira vez em sua história havia conseguido chegar na decisão da recém-criada competição nacional, perdendo o título para o Bahia. Naquele ano, diante da criação da primeira Copa dos Campeões da América (atual Copa Libertadores da América) para o ano de 1960, houve a necessidade da criação de um Campeonato Brasileiro: uma competição que tinha como finalidade condecorar o campeão brasileiro e representante do Brasil na Libertadores. E assim foi feito pelo então Presidente João Havelange, como o mesmo afirmou: “O país necessitava de um campeão brasileiro de clubes para representar o país na América do Sul”. Pois cumpria, o que ficou decidido no 30º congresso ordinário da CONMEBOL, que só o campeão de cada pais sul-americano poderia participar da competição continental. Em 1961, a Taça Brasil de Clubes, organizado pela CBD (Confederação Brasileira de Futebol), reuniu 17 estados, com 16 campeões estaduais e o Palmeiras Campeão Brasileiro de 1960. Os campeões dos estados de São Paulo e de Pernambuco por qualificação, assim como na edição anterior, entravam na fase de Semifinais.
A estreia do Santos FC, classificado diretamente as semifinais por ser o Campeão Paulista, ocorreu dia 11 de novembro daquele ano, contra o America RJ de Pompéia, Djalma Dias, Jorge, Amaro e João Carlos, notável quadro Campeão Carioca de 1960, que havia eliminado o Palmeiras atual Campeão Brasileiro. Em São Januário/RJ ocorre o primeiro jogo, com um bom público entusiasmado para incentivar a equipe carioca, que após abrir o placar e sofrer a virada, manteve a partida equilibrada no 1º tempo, empatando em 2 a 2. No entanto, na etapa complementar, a multidão que compareceu teve que observar estarrecidos e angustiados o show santista, em vitória numerosa por 6 a 2. Numa atuação espetacular da dupla Pelé e Pepe que marcaram três tentos cada, Coutinho também deixou o dele.
Por se tratar do grande time do Santos, criou-se enorme favoritismo no confronto da volta, que ocorreu dia 19 de novembro. No entanto, o America/RJ surpreendeu o Alvinegro que não conseguiu ter boa atuação, num jogo em que Pelé foi expulso por Armando Marques, e com placar mínimo 1 a 0, os cariocas triunfaram em plena a Vila Belmiro/SP. O regulamento previa uma 3º partida em caso de igualdade de pontos. Sendo assim, em 21 de novembro, ocorreu no estádio Pacaembu/SP o terceiro e decisivo jogo. Nessa partida, o Santos foi categórico e voltou a dar espetáculo, sendo muito superior aos cariocas, principalmente pela atuação de seu poderoso ataque, aplicando nova goleada de 6 a 1, com gols Pelé (2x), Coutinho (2x), Dorval e Pepe. Classificando-se assim, para a decisão contra o Bahia para uma possível revanche.
O Bahia na época contava com um grande time, certamente a maior força do futebol nordestino e uma das maiores do país, havia se tornado o primeiro Campeão Brasileiro e representante da recém-criada Copa Libertadores. Além disso, conquistaria o Pentacampeonato Baiano consecutivo entre 1958 a 1962. Contava com craques eternizados na história do clube, como Nadinho, Henrique, Alencar, Marito, entre outros. O time do Santos sabia bem das qualidades do adversário, mais também era convicto das suas, pois pelo futebol que demonstrava provavelmente era o melhor time do futebol brasileiro, com um conjunto de craques excepcionais.
Em 22 de dezembro de 1961, ocorre o primeiro jogo da decisão, numa partida bastante equilibrada no estádio da Fonte Nova/BA: apesar da disposição dos baianos, o Santos com gol marcado por Coutinho, logo aos 3min, após tabelar com Pelé, conseguiu um importante empate em 1 a 1. Grande público compareceu ao espetáculo, como noticiou na época a Gazeta Esportiva: “Perante a maior assistência reunida em um campo de futebol nessa cidade”. A partida obteve renda recorde para época, de Cr$ 7.441.400,00 e, os torcedores que ali comparecem, puderam ver muita luta e entrega por parte das equipes, em um duelo que não deixou a desejar e o empate foi o resultado justo.
A segunda partida foi realizada dia 27 de dezembro, no alçapão da Vila Belmiro/SP, e para esse confronto o Santos entrou em campo com Laércio; Lima, Mauro, Calvet e Dalmo; Zito e Tite; Dorval, Coutinho, Pelé e Pepe. Técnico: Lula. Quando a bola rolou, O Alvinegro se impôs dominando completamente o adversário, principalmente na primeira etapa, ao fim aplicando goleada de 5 a 1, com atuação perfeita da dupla Pelé (artilheiro da competição marcando 3 vezes nesse jogo) e Coutinho (que marcou 2 gols). No primeiro gol santista aos 25min, muita categoria na jogada, após a cobrança de falta de Pepe a bola encaminha-se até Coutinho que toca para Pelé, que ajeita com classe e mesmo caindo chuta firme abrindo o placar. Cinco minutos depois, Pelé toma a bola, arranca e passa por três marcadores, na saída do goleiro chuta firme no canto aumentando a contagem santista. O espetáculo continuou quando ele, Pelé novamente tabelou com Coutinho que chutou forte, na sobra o Rei só empurrou para as redes. O gênio da área, Coutinho, também mostrou seu faro de gol marcando os últimos gols do jogo. Em um deles mostrou toda sua genialidade, driblando bonito o defensor e chutando com precisão no canto. Ao final do jogo, sob comemorações e festa, o Sr. Paulo Machado de Carvalho fez a entrega ao Sr. Athiê Jorge Coury, presidente do Santos, de uma cobertura de flores, oferecida pelo Sr. Tancredo Neves então primeiro ministro. O Santos Futebol Clube conquistava o primeiro Campeonato Brasileiro de sua história e dava início a maior hegemonia da história do futebol nacional.
(Jornal a Gazeta Esportiva edição do dia 28/12/1961).
Categórica e insofismável a vitória obtida pelo Santos sobre o Bahia, conquistando a III Taça Brasil. A atuação do alvinegro no primeiro tempo levou-o à grande conquista. Resistiu muito o Tricolor baiano, mas foi impotente diante da classe superior do bicampeão paulista. Perante 20 mil pessoas, o Santos encerrou da forma mais brilhante possível a sua campanha em 1961.

Confira a campanha e todas as fichas técnicas:
http://acervosantosfc.com/taca-brasil-1961/
Fontes e Referencias:
Dossiê, Unificação dos Títulos Brasileiros a partir de 1959 (Odir Cunha e José Carlos Peres);
CBF (Confederação Brasileira de Futebol);
Jornal a Gazeta Esportiva;
Jornal Folha de SP;

One Response to O primeiro título Brasileiro!

  1. Mayara Fernandes says:

    Muito legal as informações desse primeiro título, pois não se tem todos os vídeos dessa época. Achei que ficou faltando só a foto do time campeão.