Douglas – 1967-1972

Published On 29/03/2017 | Ex-Atletas
Por Gabriel Santana 
Santos, 29/03/2017

Nome completo – Douglas da Silva Franklin
Período – 1967-1972
Posição – Atacante
Nascimento – 9 de setembro de 1949, em Santos, São Paulo
Jogos  223
Gols – 77

Histórico – Além de ser natural de Santos, Douglas era vizinho do eterno goleiro Manga. Sob a tutela do arqueiro, participou das “Manhãs Esportivas”, realizadas na Vila Belmiro, afim de revelar novos atletas. Douglas se destacou, e em pouco tempo, já estava na categoria infantil da época.
Tornou-se sócio do clube, e passou a atuar também no AZ Negro, time varzeano da cidade. Na Vila Belmiro, ainda nas categorias amadoras, atuou com Clodolado e Negreiros.
Teve suas primeiras chances no profissional em 1967. O ano de 1968 trouxe a afirmação, do grande craque que Douglas prometia ser. Possuía um drible seco, e uma passada larga, que deixavam os adversários desnorteados.
O ano de 1970, representou a temporada em que Douglas mais atuou pelo Santos. Com o time santista, conquistou o Tricampeonato Paulista em 1967-1968-1969, o Campeonato Brasileiro de 1968, a Recopa Sul-Americana e Mundial, ambas de 1968, além de inúmeros Torneios Amistosos Internacionais, como por exemplo: Torneio Octogonal Chile, Torneio Pentagonal de Buenos Aires, Torneio de Kingston e etc.
Em 1972, devido a um desentendimento com o então treinador santista, Mauro Ramos de Oliveira, Douglas deixou a equipe, e acertou sua trasnferência para o Bahia.
Antes de acertar com a equipe baiana, o destino do atleta seria o América-RJ. O voô para o Rio de Janeiro, inclusive, já estava programado. Com uma reviravolta na negociação, Douglas não embarcou para o Rio de Janeiro, e sim, para Salvador. Quando chegou na capital baiana, descobriu que o voô que ele teria pego, sofreu um grave acidente, sem nenhum sobrevivente. Por isso Douglas costuma dizer que o Bahia salvou sua vida, e o atleta transformou-se em um dos maiores ídolos do clube baiano, considerado por muitos, o maior jogador da história do Bahia.
Entre 1972 e 1980, foram 211 gols, o que faz dele o segundo maior artilheiro da história do clube. Conquistou o Heptacampeonato Baiano, entre 1973 e 1979, a maior seqüência de títulos do futebol baiano.
Ainda em 1980, Douglas deixou o Bahia, e atuou por poucos meses na Portuguesa e no Vitória. Jogou ainda pela Associação Desportiva Leônico-BA, e encerrou sua carreira no Barretos-SP, em 1988.
Ao se aposentar, ministrou aulas em uma escola particular de Barretos, onde também participou de um projeto social com futebol de várzea.

ESTREIA  E 1º GOL
25/05/1967 – Seleção do Distrito Federal 1 x 5 Santos
Gols: Pelé, Coutinho, Wilson, Douglas e Toninho; Aderbal.
Local: Estádio Nacional de Brasília, em Brasília.
Competição: Amistoso
Renda: NCr$ 44.000,00
Árbitro: Jorge Cardoso
SFC: Cláudio; Lima, Orlando (Oberdan), Joel Camargo e Rildo; Zito (Buglê) e Clodoaldo; Wilson, Coutinho (Toninho), Pelé (Douglas) e Abel (Edu). Técnico: Antoninho
DF: Zé Valter; Didi, Melo, Farnnazi e Aderbal; Zé Maria e Luis; Sabará, Edinho (Cido), Beto (Paulinho) e Arnaldo.
Técnico: Samuel Lopes
ULTIMO JOGO
20/02/1972 – Marília 1 x 0 Santos
Gol: Nei aos 6min do primeiro tempo.
Local: Em Marília.
Competição: Torneio Laudo Natel
Público: 3.352
Renda: Cr$ 19.992,00
Árbitro: Nílson Cardoso Bilha
Cartões Vermelhos: Turcão e Nei
ECM: Raimundinho; Juvenal, Henrique Pereira, Djalma e Betão; Helinho e Valdemar; Varlei, Toninho, Nei e Ivo
SFC: Cláudio; Turcão, Vicente, Roberto e Murias (Ari); Pitico e Fito; Ibraim (Adílson), Picolé, Douglas e Gaspar. Técnico: Pepe

• Jogos e gols:
1967 – 10 jogos e 09 gols;
1968 – 51 jogos e 14 gols;
1969 – 46 jogos e 08 gols;
1970 – 69 jogos e 37 gols;
1971 – 46 jogos e 09 gols;
1972 – 01 jogo e 00 gol;

Total – 223 jogos e 77 gols

Fontes e Referências:
Almanaque do Santos FC;
Tardes de Pacaembu;
A Gazeta Esportiva;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *