Os “Bad Boys” Santistas (1983/84)

Published On 25/08/2015 | Esquadrões - Times importantes

Santos um dos melhores times do futebol brasileiro (1983 a 1984).

Depois de péssima campanha no Paulista de 1982, o presidente santista Milton Teixeira, aplicou um investimento em contratações de jogadores de qualidade e experientes, promovendo contratações importantes que reforçaram o time para o Campeonato Brasileiro de 1983. Chegaram na Vila Belmiro: Serginho Chulapa, Paulo Isidoro, Dema, Lino. E foi assim que, com um time competitivo e com jogadores calejados, o SFC transformou-se num dos melhores times do Brasil nesse período, conseguindo campanhas relevantes e enfrentando de igual para igual, os grandes times do começo da década, casos do Flamengo de Zico, Atlético MG de Reinaldo e da Democracia Corinthiana.
Um grande time que mostrou um futebol competitivo e experiente, com qualidade e muita pegada, esse era o Santos de 1983 que chegou à final do Camp. Brasileiro, terminando com o Vice-Campeonato. A defesa santista com o goleiro Marolla, os zagueiros Toninho Oliveira, Marcio Rossini, Toninho Carlos e Gilberto Sorriso, tinha segurança e solides, o meio com Dema e Lino mostrava proteção defensiva e Paulo Isidoro e Pita eram craques, que cadenciavam e criavam jogadas com qualidade, na frente a rapidez de João Paulo que também era artilheiro e, sobretudo, a figura do matador Serginho Chulapa, grande ídolo santista, e um artilheiro nato. A qualidade desse quadro santista foi medida contra os melhores times do país na época, e o SFC mostrou que era uma equipe para bater de frente com qualquer adversário.

1983 - Brasileiro - Final (4)

Os embates que se intensificaram ocorreram, primeiro na semifinal da Taça de Ouro, onde o Santos eliminou o Atlético MG de Reinaldo (2 a 1 em SP e 0 a 0 em MG), que era uma das bases da Seleção Brasileira de 1982 e, depois na decisão, quando dominou o jogo no Morumbi/SP, diante do Flamengo de Zico (vencendo por 2 a 1), onde poderia ter saído com uma vantagem melhor. Na segunda partida o SFC sucumbiu, pegou um gol logo aos 40 segundos, e depois que o juiz deixou de marcar um pênalti claro em Pita, não deu para o Peixe. Naquele ano, o SFC que tinha uma das quatro maiores torcidas do país, conseguiu o recorde entre clubes paulistas com a maior média de público de uma edição do Campeonato Brasileiro, levando uma média de 49.306 pagantes por jogo no campeonato de 1983.
Recorde no Campeonato Brasileiro: Primeiro clube a disputar Oito decisões de Campeonato Brasileiro (as finais ocorreram nos anos de 1959, 1961, 1962, 1963, 1964, 1965, 1966 e 1983).

Feios, sujos e malvados.

Esta é uma expressão que o escritor José Roberto Torero utilizou para definir o time do Santos Campeão Paulista em 1984. Aqueles jogadores fugiam do padrão santista. Depois de ver seus Meninos da Vila caçados em campo e roubados pela arbitragem – revolta que chegou ao clímax em 1983, quando Arnaldo César Coelho garfou o Alvinegro na final do Brasileiro, no Maracanã –, o torcedor queria um time menos ingênuo, com jogadores mais durões, malandros e até violentos (comenta o historiador Odir Cunha).
Com a base mantida de 1983, o Santos começou o ano com grandes expectativas. No Campeonato Brasileiro, liderou com autoridade nas duas primeiras fases, porém, na terceira fase, ficou em 3º lugar no grupo, e não obteve uma nova classificação. Já na Taça Libertadores, as coisas foram diferentes. Após 19 anos sem disputar a competição internacional, o Santos foi eliminado na 1º fase. O fato abalou o elenco, porém, mantiveram-se firmes!
As grandes perdas da equipe foram a transferência de João Paulo para o Corinthians, e a de Pita para o São Paulo. Dois craques que já haviam conquistado o Estadual de 1978 pelo Alvinegro, e agora envergariam as camisas de dois concorrentes diretos ao título. Mas, há males que vem para o bem. A negociação de Pita com o São Paulo envolveu dois jogadores que defendiam o time do Morumbi, e foram utilizados como “moeda de troca”. Com isso, o meio-campista Humberto e o ponta Zé Sérgio, vieram para a Vila Belmiro, e conseguiram um fantástico entrosamento com o centroavante Serginho Chulapa, o principal jogador da equipe. Com uma boa “espinha dorsal”, o Alvinegro precisava de um goleiro. Rodolfo Rodriguez, já com grandes passagens pela Seleção do Uruguai, foi o escolhido, e desembarcou na Vila Belmiro logo no primeiro mês de 1984.

1984 - Campeonato Paulista (11)

Aquela equipe do Santos tinha os zagueiros Márcio e Toninho Carlos que chegaram a atuar pela Seleção Brasileira, assim como os meio-campistas Dema e Paulo Isidoro e o atacante Zé Sérgio. Além disso, contava com as defesas espetaculares de Rodolfo Rodrigues e dos gols de Serginho Chulapa, ambos em grande fase. O time tinha sua filosofia baseada na garra, vontade e dedicação dos jogadores e, foi assim, durante o Campeonato Paulista de 1984, onde o Santos foi quase sempre vencendo seus compromissos em casa e empatando fora, aflorou-se e depois de uma belíssima campanha enfrentou e venceu a democracia Corinthiana de Sócrates, por 1 a 0 com gol de Serginho Chulapa, artilheiro da competição, resultado que garantiu o título Paulista de 1984 ao Santos FC.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *