Marinho Perez – 1973-1974

Published On 05/12/2016 | Ex-Atletas, Ídolos
Por Gabriel Santana e Ronaldo Silva
Santos, 05/12/2016

Contrariando a vontade de seu pai, que sonhava vê-lo estudando medicina, Marinho Perez iniciou sua vida no futebol ainda garoto em sua cidade pelo Estrada de Ferro Sorocabana, e na sequência, se profissionalizou no São Bento.
Nascido no dia 19 de março de 1947, em Sorocaba, São Paulo, Mario Perez Ulibarri, desde seus primeiros jogos como titular, demonstrava ser um zagueiro firme, que aos poucos passou a despertar o interesse de grandes clubes.
Em 1967, foi contratado pela Portuguesa e em pouco tempo começou a ser o dono da defesa lusa. Suas boas atuações o levaram a vestir a camisa da Seleção Brasileira. Consolidado como ídolo no Canindé, Marinho acabou sendo alvo de uma reformulação do elenco realizada pelo presidente Osvaldo Teixeira Duarte, que cansado de ver sua equipe colecionando derrotas decidiu afastar jogadores importantes num episódio batizado como “A Noite do Galo Bravo”.
O Santos buscava a contratação de um grande zagueiro desde a saída de Ramos Delgado, com isso surgiu o interesse por Marinho que após uma longa negociação entre os clubes foi contratado pelo Santos por uma importante soma financeira numa contratação de impacto concretizada em Novembro de 1972.
Estreou no ano seguinte, com seu futebol onde se destacava com seu espírito de liderança, vigor na marcação, muita raça e também conseguia explorar muito bem uma de suas grandes virtudes que era o jogo aéreo, sendo essencial na campanha do Título Paulista de 1973 que ficou marcado como o último de Pelé com a camisa santista, num título dividido com a Portuguesa. Marinho não atuou no jogo decisivo por não ter sido vetado pelo departamento médico, mas foi fundamental nas cobranças de pênaltis ao orientar o goleiro Cejas sobre a maneira como os seus antigos companheiros na Lusa costumavam bater penais.
Ao lado de Edu, foi um dos representantes do Santos na Copa da Alemanha, em 1974, onde formou uma inesquecível dupla de zaga com Luís Pereira. Durante o Mundial se tornou capitão da Seleção e suas ótimas performances atraíram o interesse dos grandes clubes europeus.
Por uma oferta irrecusável, Marinho Perez foi vendido ao Barcelona, em Outubro de 1974, passando a atuar ao lado do grande craque holandês Johann Crujyff.
Sua passagem na Catalunha foi abreviada por ter se naturalizado espanhol devido as origens de sua família, mas foi convocado para servir o exército espanhol e necessitou retornar ao Brasil para não cumprir essa obrigação.
Em 1976, foi contratado pelo Internacional onde conseguiu grande destaque em outra memorável dupla de zaga ao lado do chileno Elias Figueroa que conquistou os títulos gaúcho e brasileiro daquela temporada.
Retornou ao futebol paulista, em 1977, para atuar no Palmeiras e encerrou sua vitoriosa carreira como jogador atuando no América-RJ.
Após pendurar a chuteira, Marinho Perez seguiu os passos dos grandes treinadores que trabalhou, como o holandês Rinus Michels e Telê Santana. Destacou-se dirigindo alguns clubes portugueses, e fez praticamente toda sua carreira como treinador em Portugal. Dirigiu o Santos em 1988-1989, e esteve a frente da equipe em 20 partidas.

• Jogos e gols:
1973 – 49 jogos e 03 gols;
1974 – 25 jogos e 02 gols;
Total: 74 Jogos e 05 gols

Fichas Técnicas:
ESTREIA
24/01/1973 – Santos 1 x 1 Portuguesa
Gols: Arlindo – Dicá
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos
Competição: Amistoso
Renda: Cr$ 90.203,00
Público: 11.394
Árbitro: José Olímpio de Oliveira
SFC: Cláudio; Hermes, Marinho Perez, Carlos Alberto e Murias; Clodoaldo e Léo Oliveira (Eusébio); Jair da Costa (Manoel Maria), Alcindo (Arlindo), Brecha e Edu. Técnico: Pepe
APD: Miguel; Humberto Monteiro (Arengue), Calegari, Isidoro e Cardoso; Badeco e Dicá; Luisinho, Xaxá, Tatá e Da Costa (Feitosa). Técnico: Cilinho
PRIMEIRO GOL
18/04/1973 – Santos 1 x 0 América-SP
Gol: Marinho Perez 44min do primeiro tempo
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos
Competição: Campeonato Paulista
Renda: Cr$ 85.746,00
Público: 10.335
Árbitro: Édson Valter Pantozi
SFC: Cejas; Hermes (Turcão), Marinho Perez, Carlos Alberto e Altivo; Clodoaldo e Brecha (Pitico); Manoel Maria, Eusébio, Pelé e Edu. Técnico: Pepe
AFC: Marcos; Paulinho, Dobreu, Jair e Geraldo (Nélson Prandi); Xisté e Didi; Zuza, Wilson, Gilberto e Mazinho
Técnico: Wilson Francisco Alves
ULTIMA PARTIDA
29/09/1974 – Santos 0 x 1 Corinthians
Gol: Rivelino aos 14min do segundo tempo
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo
Competição: Campeonato Paulista
Renda: Cr$ 768.739,00
Público: 66.871
Árbitro: Armando Marques
SFC: Cejas; Wilson Campos, Marinho Perez, Oberdan e Zé Carlos; Léo Oliveira e Brecha; Adílson (Ferreira), Cláudio Adão, Pelé (Mazinho) e Edu. Técnico: Tim
SCCP: Ado; Zé Maria, Baldochi, Brito e Vladimir; Tião e Adãozinho; Vaguinho, Lance (Zé Roberto), Rivelino e Peri
Técnico: Sylvio Pirillo

Fontes e Referências:
Centro de Memória e Estatísticas do Santos FC;
Almanaque do Santos FC;
Jornal Mundo Esportivo;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *