Mendonça – 1987-1988

Published On 08/11/2016 | Ex-Atletas
Por Ronaldo Silva e Gabriel Santana
Santos, 08/11/2016

Nome completo – Milton da Cunha Mendonça
Período – 1987-1988
Posição – Meio-campista
Nascimento – 23 de Maio de 1956, no Rio de Janeiro
Jogos – 110
Gols – 28

Histórico – Craque do time Dente de Leite do Bangu, em 1970, o pequeno Mendonça era treinado pelo seu próprio pai, um ex-zagueiro do time de Moça Bonita nos anos 50, e passou ao filho sua vivência no futebol.
Fã de Jairzinho e Paulo César Caju, foi atuar no ano seguinte no Botafogo, seu time de coração. Em 1975, surgiu para Mendonça sua primeira oportunidade na equipe principal, e devido as boas atuações, não saiu mais do time. Foram longas oito temporadas sem alcançar um título sequer, já que a equipe botafoguense enfrentava um longo jejum, porém, se tornou um ídolo e muitas vezes a “estrela solitária” do Botafogo. Cabeceava e lançava com perfeição, chutava com confiança e exímia pontaria e apesar de possuir facilidade no drible, somente o utilizava no momento certo.
Em 1983, teve a oportunidade de se transferir para o futebol paulista e atuar na Portuguesa por dois anos, para na sequência de sua carreira, transferir-se para o Palmeiras, outra equipe que vivia uma seca interminável de títulos. Apesar de atuar ao lado de alguns jogadores renomadas, alcançou somente um vice-campeonato paulista, quando na ocasião o Palmeiras foi derrotado pela Internacional de Limeira, que era dirigida pelo eterno Canhão da Vila, Pepe.
Em 1987, a diretoria do Santos investiu na contratação de jogadores experientes como Osvaldo, Éder e o próprio Mendonça, que chegou com a responsabilidade de ser o cérebro e camisa 10 da equipe. Com seu futebol refinado e milimétricas cobranças de falta, conseguiu ajudar o time que liderou a primeira fase do Campeonato Paulista de 1987. Durante o torneio, a equipe santista excursionou à Europa para conquistar o Torneio de Marselha, na França. Na sequência do campeonato estadual, o time foi eliminado nas semifinais. O clube enfrentava sérios problemas financeiros que atrapalharam a sequência do clube nas competições, e até mesmo no restante do período em que Mendonça seguiu no Santos. Mesmo com todas as dificuldades, foi um dos principais jogadores desse período.
Ainda defendeu as camisas do Al Saad (Catar), Grêmio, Internacional de Limeira, São Bento de Sorocaba. Por fim, encerrou sua longa carreira no local onde deu seus primeiros passos no mundo da bola no Bangu, em 1990.

ESTREIA E PRIMEIRO GOL
06/03/1987 – Santos 3 x 2 Palmeiras
Gols: Éder, Chicão e Mendonça – Edu Manga e Mirandinha.
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo.
Competição: Amistoso
Renda: Cz$ 959.080
Público: 15.596
Árbitro: Almir Laguna
Expulso: Lino
SFC: Rodolfo Rodriguez; Ijuí, Nildo, Toninho Carlos e Claudinho; César Sampaio, Osvaldo e Mendonça; Osmarzinho, Chicão e Éder. Técnico: Formiga
SEP: Martorelli; Diogo, Vágner, Márcio e Renato; Lino, Gérson Caçapa e Edu Manga; Amauri, Mirandinha e Mauro (Anderson). Técnico: Carbone
ULTIMO JOGO
18/12/1988 – Santos 0 (9) x (10) 0 Botafogo
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos.
Competição: Campeonato Brasileiro
Renda: Cz$ 5.557.200
Público: 8200 +1872 (10.072)
Árbitro: Nei Andrade Nunes Maia
SFC: Ferreira; Heraldo, Cássio, Luizinho e Ijuí; César Ferreira (Leonardo Manzi), César Sampaio, Mendonça e Juninho; Sócrates (Cesar Pereyra) e Giba. Técnico: Marinho Peres
BFR: Ricardo Cruz; Vítor, Wilson Gotardo, Mauro Galvão e Vagner; Carlos Alberto, Luizinho e Paulinho Criciúma (Jefferson); Helinho, Varela e Gustavo. Técnico: Jair Pereira

• Jogos e gols:
1987 – 54 jogos e 14 gols;
1988 – 56 jogos e 14 gols;
Total – 110 jogos e 28 gols

Fontes e Referências:
Almanaque do Santos FC;
Blog Tardes no Pacaembu;
Revista Placar;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *