Meninos da América

Published On 06/03/2017 | Jogos Históricos, Taça Libertadores
Por Ronaldo Silva,
São Paulo, 06/03/2017

Com o retorno à sina de grandes títulos, os Meninos da Vila iniciavam a disputa de um novo desafio chamado Taça Libertadores da América. Após 19 anos de ausência no maior torneio de clubes sul-americanos, o Santos buscava aumentar seu prestígio internacional e com a manutenção dos astros Diego e Robinho buscar a sonhada terceira conquista continental.
O primeiro obstáculo seria enfrentado na Colômbia contra um de seus maiores clubes, o América de Cáli. Para esta estréia, o técnico Emerson Leão demonstrava total confiança em sua equipe que apesar de possuir uma baixa média de idade estava totalmente preparada para as armadilhas da competição com a arma do futebol atrevido e ousado que conquistou o Campeonato Brasileiro anterior.

O JOGO
Um início de partida franco, com ataques para os dois lados era o prenúncio do que seria este confronto. O primeiro lance de ataque coube ao Santos, aos 30 segundos, com Leo tocando para Elano chutar forte da entrada da área com perigo para o goleiro Viáfara. Aos 6 minutos, Robinho escapou pela esquerda e serviu Renato. Ele aproveitou e mandou por cima do gol.
O América buscou reação e partiu ao ataque, aos 10 minutos, Villareal tocou para Lopes, que bateu forte para defesa de Fábio Costa. Na sequência, Bustos, pela esquerda, dentro da área tentou cruzar, mas a bola bateu no braço de Elano com reclamação dos colombianos que o árbitro Luis Solorzano mandou seguir. O goleiro santista realizou outra bela defesa em mais uma investida do time local através do jogo aéreo.
Os Meninos da Vila controlavam a posse da bola no campo de ataque com diversos lances de habilidade com destaque para a dupla Diego e Robinho. O Santos anotou seu primeiro gol, aos 29 minutos, numa jogada trabalhada que sobrou para Léo que avançava pela esquerda, num chute cruzado com a bola desviando em Asprilla, enganou Viáfara e entrou: 1 a 0.
Os colombianos partiram em busca do empate. Aos 36 minutos, Ferreira cobrou um escanteio, a bola quicou na área e Banguero, livre, testou para o fundo do gol numa desatenção da marcação santista, partida empatada: 1 a 1. A torcida do América comemorava, quando Diego sofreu falta na intermediária. O zagueiro Alex cobrou com um forte disparo que atravessou o meio da barreira e anotou o segundo gol santista. A etapa inicial terminou com a vitória do Santos por 2 a 1.
SEGUNDO TEMPO
Com ímpeto de garantir a vitória na estreia, coube ao Peixe pressionar e acuar os colombianos. Robinho, aos 5 minutos, recebeu de Ricardo Oliveira entre diversos marcadores, conseguiu espaço para um ótimo arremate que beijou a trave de Viáfara. Aos 11 minutos, foi a vez do centroavante Ricardo Oliveira partir com a bola dominada driblou Asprilla, conseguiu escapar e finalizou impiedosamente, para anotar 3 a 1.
O América não conseguia sair desse estado de letargia imposto pelos Meninos da Vila que não perdiam a sede de ampliar o placar. Aos 18 minutos, Robinho serviu Diego na intermediária. O camisa 10 cortou para meio e emendou um chute forte e colocado no ângulo e com isso fazer o mais belo gol dessa noite mágica em Cáli.
A goleada estava desenhada, o Santos passou a dar um espetáculo no gramado como há tempos não se via nos gramados sul-americanos. O grande artista foi Robinho que aplicou um repertório vasto de dribles, carretilhas, chapéus e lindos toques de efeito que encantaram a todos os espectadores, o garoto trouxe ao público colombiano lembranças de Pelé vestindo o manto santista.

Atletas comemoram mais um gol na partida! (Foto/Lance)

Com a vitória assegurada, Leão decidiu substituir Robinho e Diego. O público colombiano, de imediato, ovacionou a saída dos jogadores santistas com aplausos de pé e toda reverência para o talento da dupla. Para terminar o show, aos 44 minutos, novamente o oportunista Ricardo Oliveira recebeu sozinho um cruzamento de Elano, com facilidade marcou o quinto gol e decretou números finais ao jogo.
Uma estreia de gala dos Meninos da Vila que foram amplamente elogiados pela imprensa colombiana, o jornal El País destacou “O América foi parado por uma máquina com a bola nos pés. Robinho iluminou a todos com seu futebol. Santos jogou com um só toque: tic, tac, tic, tac, pum! Chute contra o gol de Viáfara”. Um autêntico cartão de visitas ao retorno do Santos à Taça Libertadores. O time santista deixava claro que seria um dos grande favoritos para levantar a edição de 2003.

Ficha Técnica:
05/02/2003 – América de Cali-COL 1 x 5 Santos
Gols: Léo aos 29min, Banguero aos 36min e Alex aos 37min do primeiro tempo; Ricardo Oliveira aos 11min e 44min e Diego aos 14min do segundo tempo
Local: Estádio Pascual Guerrero, em Cali, Colômbia
Competição: Taça Libertadores da América
Público: 10.000
Árbitro: Luis Solórzono (Venezuela)
SFC: Fábio Costa; Reginaldo Araújo, Alex (Preto), André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego (Fabiano); Robinho (Nenê) e Ricardo Oliveira. Técnico: Emerson Leão
CDA: Viáfara; Ivan Lopez, Luis Asprilla, Navarra e Bustos; Vargas, Jorge Banguero, David Ferreira e López (Moreno); Julián Vazquez e Villareal (Romero). Técnico: Fernando Castro

Fontes e referências:
Almanaque do Santos FC;
Jornal “A Tribuna” de Santos;
Jornal “Estado de São Paulo;
Jornal “Lance”;

Jornal “El País” da Colômbia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *