O Campeão dos Campeões Mundiais!

Por Kadw Gommes
Santos, 04/11/2015
Atualizado, 24/06/2016

O Terceiro Laureado Mundial do Santos de Pelé!

Na década de 1960, o lendário time do Santos FC percorreu o mundo todo através de excursões vencedoras, postulando seu magnifico futebol e conquistando todos os títulos possíveis, tanto de torneios oficiais como amistosos. Aquela equipe histórica e incomparável, considerada por muitos, a maior da história em todos os tempos, apresentou ao mundo uma geração de grandes jogadores ao longo da década (em 1968/69, Carlos Alberto Torres, Joel Camargo, Clodoaldo, Pelé, Edu e tantos outros craques), que formavam a base da Seleção Brasileira, Tricampeã Mundial em 1970, no México, e que naquele  período de 1958 a 1970, conhecido como Era de Ouro do Futebol Brasileiro, conquistaram a posse definitiva da Taça Jules Rimet.
Em uma dessas inúmeras excursões internacionais, mais precisamente em Milão, na Itália, o Santos Futebol Clube conquistou um título de nível Mundial oficial: a Recopa dos Campeões Mundiais, após bater a poderosa Internazionale de Milão, em pleno estádio San Siro (Giuseppe Meazza). A Conquista Internacional foi a sexta da história santista, e possibilita ao clube a alcunha de Campeão dos Campeões Mundiais.

A Supercopa Sul-Americana dos Campeões Mundiais.

Para chegar à grande decisão da Recopa Mundial, o Santos precisou vencer outro torneio internacional, a Supercopa Sul-Americana dos Campeões Mundiais, para fins classificatórios. A competição como prevista, reuniu os clubes Sul-Americanos Campeões Mundiais (Copa Intercontinental).
533984_602042069807845_1462841973_n
A Competição foi criada no final do ano de 1967, com o objetivo e propósito de reunir os clubes que haviam se sagrado Campeões Mundiais (Copa Intercontinental). Até então, na América do Sul: Santos (BRA), Racing (ARG) e Peñarol (URU).
O torneio foi anunciado em novembro do ano seguinte, em Buenos Aires (ARG), pelos representantes dos clubes envolvidos, a ser disputados entre fins de 1968 e começo de 1969.
A iniciativa dos clubes envolvidos, ressaltando a participação na edição seguinte do Estudiantes (Campeão Mundial em 1968) na competição, foi bem recebida pela Conmebol, que em seguida tratou de entrar em contato com a UEFA, para organizar a disputa de uma nova competição: a Recopa dos Campeões Mundiais.
O Santos sagrou-se Campeão da Zona Sul-Americana (Supercopa Sul-Americana), em 16 de abril de 1969, classificando-se para a Recopa Mundial. O título ocorreu com a vitória sobre o Racing (ARG), por 3 a 2, no estádio Presidente Perón, na Argentina. Confira a campanha do Santos na Supercopa Sul-Americana de 1968.
Na Zona Europeia, os dois Campeões Mundiais do velho continente, que na época eram Real Madrid (ESP) e a Internazionale (ITA), fariam um jogo eliminatório para se qualificar a Recopa Mundial e enfrentar o vencedor da Zona Sul-Americana (O Santos Campeão da Supercopa Sul-Americana). No entanto, o Real Madrid retirou-se, desistindo da Competição e, com isso, a Internazionale de Milão, qualificou-se diretamente a decisão da Recopa Mundial.

A Recopa dos Campeões Mundiais.

10846734_796698737068496_461792152_nA Recopa dos Campeões Mundiais registrou na edição de 1968, uma final histórica, disputada em 24 de junho de 1969, reunindo dois dos maiores esquadrões da história do futebol mundial, na disputa pela conquista inédita e de nível mundial.
Na representação Europeia, a grande Internazionale de Milão, Bicampeã Mundial em 1964/65, base da Seleção Italiana, que jogava no modelo “catenaccio” (sistema tático que postulava uma marcação rígida reunido com folga como uma arma ofensiva). Com muitos craques, do calibre de Bordon, Facchetti, Burgnich, Guarnieri, Corso, Luis Suárez e Domenghini.
Na representação Sul-Americana, o legendário time do Santos FC, supercampeão, e que foi a campo para aquela decisão, com sua constelação de craques: Cláudio (Laércio); Carlos Alberto, Ramos Delgado, Djalma Dias e Rildo; Clodoaldo e Negreiros; Toninho, Edu, Pelé, Abel. No comando técnico: Antoninho Fernandes.
O Jornal A TRIBUNA, de Santos, cobriu e comentou sobre o time e a representatividade da conquista, antes da decisão da Recopa Mundial, confira:
montagem
Ao ler a matéria abordada no jornal da época, fica evidenciado com de fatos irrefutáveis a importância do Santos FC na história do futebol brasileiro. Um clube que além de grandeza, se estabelece com sua importância histórica, através de seus feitos incomparáveis! O Santos FC foi o primeiro e único clube brasileiro Campeão dos Campeões Mundiais!

Na grande decisão da Recopa dos Campeões Mundiais de 1968, entre Santos (BRA) e Internazionale de Milão (ITA): prevaleceu o futebol arte do lendário esquadrão do Santos!

A decisão da Recopa Mundial, que ocorreu no estádio San Siro (Giuseppe Meazza), em Milão, na Itália, com público estimado em 45 mil pessoas, foi um duelo formidável que reunia a campo o futebol arte, bem jogado e ofensivo do Santos FC, contra o forte esquema tática, defensivo com contragolpes bem armados da Internazionale.
imagem2Na finalíssima, ambos os times fizeram um jogo equilibrado na primeira etapa. Pelo Santos, apenas Pelé e Edu conseguiram escapar da forte marcação e fazer boas intervenções ao ataque, mais sem grandes perigos. Já Toninho Guerreiro, foi neutralizado pela forte defesa Italiana, não pode executar jogo eficiente naquele setor. Clodoaldo e Negreiros não puderam se impor ao ataque, e tiveram igualmente preocupações defensivas, para conter os contragolpes Italianos.
Já pelo lado Italiano, a Internazionale procurou os contra-ataques a fim de aproveitar a velocidade de Jair e Domenghini, pois a exemplo dos brasileiros, os demais atacantes guarneceram no meio de campo. Num desses contra-ataques, aos 20 minutos, Mazzola debateu-se com Djalma Dias, Vastola apanhou a rebatida e atirou no poste, assustando os santistas. Ademais, apenas a impressão de um jogo mais eficiente do Santos, porem menos perigoso que os contra-ataques italianos.
recopa-toninho-chutaNo segundo tempo de jogo, o Santos melhorou e impôs seu futebol de toque de bola, e a movimentação no campo de ataque deu resultado: logo no inicio, aos 11 minutos, após forte arremate de Pelé, cobrando falta, o goleiro Bordon conseguiu segurar e soltou a bola, no rebote o oportunismo de Toninho Guerreiro prevaleceu, concluindo e marcando o único gol do jogo, dando a vitória ao Santos.
Logo em seguida, após ter marcado, aos 13 minutos, o Santos foi prejudicado pela falha da arbitragem, quando Pelé, o condutor da reação santista, foi derrubado dentro na área por Cella. Um pênalti claro, que o arbitro não marcou!
1968-santos-recopa-mundial-4-net
O Santos foi melhor na segunda etapa, jogou de maneira mais incisiva e teve domínio da partida. No decorrer do jogo porem, perto do fim, começou a prender a bola e administrar o resultado que se manteve. Apesar de investidas da Internazionale, adiantando seus atacantes, conseguindo ainda boa jogada com Bedin e Mazzola, em boa trama, fazendo a bola chegar ao defensor Burgnich, que com forte chute atingiu a trave.
1968-santos-recopa-mundial-2-net
O artigo do Jornal A Tribuna, de Santos, destacou o grande desempenho de Pelé e também dos três atacantes: Edu, Toninho e Abel. Alem deles, destacou-se todo o sistema defensivo do Santos e o meia Clodoaldo naquela partida.
“Nós havíamos nos consagrado tricampeões paulistas no domingo, após empate com o São Paulo. Naquela mesma noite, embarcamos no avião com destino a Itália. A partida ocorreu numa noite de quarta-feira, o estádio ficou completamente cheio. Obviamente, as pessoas não foram ver a Internazionale, foram para ver o Santos jogar” (José Manuel Ramos Delgado, defesor-central do Santos).
imagem3“Eles tinham uma grande equipe. Aplicaram o sistema catenaccio (sistema tático que postulava uma marcação rígida reunido com folga como uma arma ofensiva) no meio campo, mais jogando com três atacantes, por isso formaram a defesa com quatro homens. O jogo foi difícil, mais justo. Conseguimos vencer com base em nossa estratégia e posse de bola, nos tocamos a bola, até que apareceram espaços. Pelé foi nosso melhor jogador, como de costume” (José Manuel Ramos Delgado, defesor-central do Santos).
Uma segunda partida estava prevista, novamente na Itália, para setembro em Nápoles, mais esta não ocorreu (a Internazionale desistiu do embate), sendo o Santos FC declarado Campeão tempo depois. A conquista que há muito ficou esquecida, embora estivesse registrada com as taças nos anais do clube, foi uma competição de grande valor, uma conquista que possibilita o Santos FC a celebre alcunhas de “Campeão dos Campeões Mundiais”.

Fontes, Créditos e Referencias:
Revista Conmebol, ano XVII, nº 93, novembro/dezembro de 2005;
Livro “Time Dos Sonhos, a história completa do Santos FC”, de Odir Cunha;
Jornais: Folha de SP, A Tribuna de Santos (Cedido pelo historiador Wesley Miranda) e A Gazzeta Dello Sport (Itália);
Livro “Segundo Tempo, de Ídolo a Mito”, de Odir Cunha.

2 Responses to O Campeão dos Campeões Mundiais!

  1. Edison Marcelino Loureno says:

    É, este time nós podemos dizer, TEM HISTORIAS PRA CONTAR!!! Pena que os leitores, torcedores e simpatizantes do FUTEBOL, não tenham curiosidades em conhecer as HISTORIAS DOS NOSSOS CLUBES.
    O pior de tudo isto, são os DIRIGENTES, que não divulgão para os mais novos, essas PASSAGENS GLORIOSAS DE SEUS CLUBES, como se eles não tivessem passado. É triste ver estes torcedores, brigando no ESTÁDIO, e sem nada saber sôbre o seu TIME DE CORAÇÃO! Agora, imaginem se eles tivessem conhecimentos das GLÓRIAS PASSADAS???
    VAMOS LÁ PRESIDENTES, DIRETORES, COBREM DO SEU SETOR DE DIVULGAÇÃO, MATÉRIAS ENVOLVENDO AS CONQUISTAS DO SEU CLUBE, AS GLÓRIAS… DÊEM À SEUS TORCEDORES, ORGULHO DA HISTÓRIA DO SEU TIME DE CORAÇÃO!!!! AQUI É SANTOS DE CORAÇÃO!!! EU TENHO ORGULHO DO MEU CLUBE; SANTOS

  2. Lucca Aguiar says:

    O Santos FC devia colocar uma terceira estrela na camisa! Esse título como mostra a própria revista da conmebol é um título de equivalência Mundial. Pode não ter o mesmo valor do Mundial tradicional, mais é um título de âmbito mundial, poderia colocar a terceira estrela! Poderia também, fazer alguma referencia ao Pelé! Uma coroa, quem sabe, quem tem essas coisas no futebol: Um Rei e um título de Campeão dos Campeões Mundiais??????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *