O Corinthians fugiu de campo!

Por Gabriel Santana, 
Santos, 14/07/2014
Atualizado, 14/07/2016

No dia 14 de julho de 1929, o Corinthians fugia de campo pela 1º vez diante do Santos, e se juntava há outras equipes do mundo, por terem realizado o mesmo feito.
Em jogo realizado em caráter amistoso, o time paulistano retirou-se de campo aos 22 minutos do segundo tempo, após confusão realizada pelo seu próprio jogador.
A partida estava empatada em 2×2, quando o corintiano Del Debio agrediu o santista Feitiço “de modo insólito e verdadeiramente estúpido”, de acordo com descrição do Jornal “A Tribuna”.
Após a agressão, foi gerada uma enorme confusão, com invasão de campo e discussões. Aproveitando o momento, os jogadores do Corinthians retiraram-se de campo.
Sem dar muitas explicações, a equipe corintiana abdicou-se de jogar, e simplesmente, fugiu de campo.
• Descrição da atitude do Corinthians, “Correio Paulistano, em 16/07/1929”:
“Infelizmente a partida efetuada ante-ontem nesta cidade, entre os quadros do Santos FC e do Sport Clube Corinthians Paulista não terminou conforme desejado. Um incidente ocorrido entre vários jogadores dos quadros em lutas, ao fim de 22 minutos do segundo tempo, fez com que o quadro corintiano abandona-se o gramado, deixando a assistência mal impressionada ante tal expansão tão pouco esportiva, quão pouco aconselhável”.




Ficha Técnica:
14/07/1929 – Santos 2 x 2 Corinthians
Gols: Feitiço e Evangelista; Peres e Rato.
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos.
Competição: Amistoso
Expulso: Del Debbio (SCCP)
Santos: Athié; Amorim e David Pimenta; Oswaldo, Júlio e Alfredo Pires; Siriri, Camarão, Feitiço, Holl e Evangelista.
Corinthians: Tuffy; Grané e Del Debbio; Nerino, Guimarães e Leone; Apparício, Peres, Gambinha, Rato e Rodrigues.

Fontes e Referências:
Almanaque do Santos FC;
Centro de Memória e Estatísticas do Santos FC;

10 Responses to O Corinthians fugiu de campo!

  1. Lucas says:

    E quando vocês fugiram em 1920. Só que lá não estava 2×2 não…… estava era 0x11 para o Corinthians em plena Vila Belmiro. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  2. Everton Castro says:

    Em 1920, o Santos fugiu de campo dentro da própria casa.. claro, tavam apanhando na cara de 11×0 kkkkkk

    • KadwGomes says:

      Então Everton, ai é bom vc pesquisar um pouco mais. Na semana seguinte, depois de golear a base da Seleção Brasileira, o Flamengo por 6 a 0, veio a grande tragédia e farsa: Santos x Corinthians , na Vila Belmiro.

      Segue aqui um resumo, do que foi descrito e um dos jornais da época:
      Logo no início da partida o Santos marca o 1º gol… anulado pelo árbitro,
      Segue a partida, e o SFC marca outro gol… novamente anulado pelo árbitro,
      Mais um gol santista… mais um gol anulado, parece até brincadeira!
      Ataque corintiano, gol do Corinthians!
      Dada a saída, gol do Santos… árbitro anula novamente!
      Faltas em Arnaldo Silveira e Castelhano… o árbitro permite que sejam cobradas a favor do alvinegro da capital paulista!
      Mais dois gols corintianos, sendo que o 3º, com Neco e Américo em completo impedimento (validado pelo árbitro).
      Com 3×0 em favor do Corinthians, a partida desanda…
      A bola bate na barriga de Cícero e é marcado pênalti (!)… grande confusão em campo, o capitão santista, Arnaldo Silveira, dá a ordem e Randolpho abandona o gol e o campo, junto com Randolpho, sai Millon…
      Após 5 minutos de paralisação a partida recomeça…
      Não demora e o árbitro valida o 5º gol do Corinthians (com os santistas alegando que teria sido feito com a mão).
      Cícero (zagueiro) vai para o gol santista, defende uma bola chutada pelo ataque corintiano… e o árbitro marca pênalti (“não fora avisado que o zagueiro passava a atuar no gol”). Nova confusão… Bilú e Ricardo são expulsos, o SFC passa a ter 7 atletas em campo e o adversário 12.
      O time santista protesta mal andando em campo… e a contagem vai subindo… Ary Patuska vai para o gol santista, e marca um gol contra!
      Os atletas santistas sentam-se no gramado e protestam contra a desastrosa arbitragem de Eduardo Taurisano. Em seguida, é encerrada a partida, no meio do 2º tempo.

      Depois do jogo, os jornais da época deram a partida como desastrosa e lamentável. Ou seja, é a história do Corinthians, sempre precisou e sempre precisará desses meios para ser um time “ao menos, grande” que seja (embora a CNN discorde kkk). Na verdade, MESMO, é um verdadeiro vasto de nada. Mais obrigado pela audiência, volte sempre.

  3. Citarei algumas coisas ao Almanaque do Santos que discordo. Na página 13 tem a seguinte frase: “Por seu prestígio, não necessitou participar de seletivas (uma espécie de segunda divisão) como o Alvinegro da capital”. Pode até ser besteira da minha parte, mas, no me entender, não custava nada dizer Corinthians. No Almanaque do Celso Unzelte seu time é chamado de Santos.

    Acho tbm, curioso os comentários sobre os 11 a 0 de 1920. Antes do Celso Unzelte lançar o Almanaque do Timão, primeiro no gênero, que influenciou os outros, já tinha lido que os santistas chutavam para o próprio gol. Então porque nos Almanaques do Corinthians e do Santos cita que 10 gols foram marcados por jogadores corinthianos e apenas 1 por um jogador santista? Sem duvidar de falha da arbitragem, mas explicações que não convencem muito.

    Ainda farei uma citação de um jogo entre Corinthians e Santos na página 32. Tem um empate de 2 a 2, sendo citado que o SCCP abandonou o campo aos 22 minutos do segundo tempo. No do Corinthians a citação é que Del Debbio e Tuffy trocaram agressões, com os torcedores invadindo o campo, havendo briga generalizada e o Corinthians abandonou o gramado. Esse post do Acervo, alegando que o Corinthians fugiu do Santos, entendo que abandonar é diferente de fugir. Na certa deve ter discordado da arbitragem. Se for assim, o Santos já fugiu várias vezes do campo quando tantas vezes discordou, da mesma que o Paulistano e o Palestra Itália.

    E por último, em relação para valer ao Almanaque do Santos, tem uma citação na página 87. No jogo 1281 diz o seguinte: “Três dias antes, o SCCP treinou na penitenciária do Estado (!!!) … parece que o convívio fez bem ao time do Parque São Jorge”… No meu entender um comentário desnecessário, desrespeitoso, pois bastava apenas citar que o Corinthians treinou na penitenciária. Além de outras citações mais leves, apenas citando o Corinthians como rival, em vez do próprio nome.

    Volto a dizer, a obra é ótima, mas percebo da parte dos santistas, sejam torcedores e autores (que obviamente também são torcedores) um desrespeito maior. É óbvio que o autor não fará um livro sobre o Santos para exaltar o Corinthians, mas considero que não foi feliz, uma opinião da qual tenho direito de ter. Claro que tem muitos corinthianos que dizem coisas que você e tantos outros santistas discordam. Mas da parte do Unzelte, ainda entendo que existe um respeito maior.

    • gabrielsantana says:

      Caro Evaristo, isso se chama RIVALIDADE. Zoar, caçoar do time rival faz parte, até mesmo usar outras expressões, para diminuir seu adversário. Os historiadores que produziram o Almanaque do Santos, principalmente o Guilherme Nascimento, são extremamente conceituados, e não inventaram nenhum fato que consta no Almanaque.

      A imprensa de São Paulo, desde 1912, tenta minimizar e inferiorizar o Santos, por não ser um time da capital.. já pensou se nós santistas, fôssemos sempre ficar de “mimimi”? Faríamos isso o resto da vida, e nem sobraria tempo pra torcer. Glórias e histórias que queremos esquecer, todos os times tem, e a rivalidade faz parte, e principalmente sempre tentar levar vantagem sobre o rival.

      Abraços e obrigado pela audiência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *