Academia Santista: O Time de Branco (1955-1959)

Published On 13/06/2015 | Esquadrões - Times importantes

O prenunciou da grande fase do Santos FC, começou a acontecer em 1954, o time comandado por Luís Alonso Peres, o Lula, egresso das categorias de base do clube e que se manteria, por toda a fase mais vitorioso do Alvinegro da Vila, venceu o Botafogo de Garrincha no Maracanã, sendo esta, a primeira vitória do Santos FC no místico estádio. A vitória contra a equipe carioca foi convincente e o bastante, para que, Lula, pudesse dar continuidade em comandar e formar o Esquadrão na temporada seguinte. Com Lula no comando, o ano de 1955 é um dos mais importantes na vida do Santos FC, pois marca a redenção e uma reconstrução da história do clube. Nesse ano um grande “Esquadrão” é formado, principalmente com jogadores que vieram da base e jovens promessas. A concretização do brilhante quadro santista ocorre em 1956 e a geração se encerra em 1959, vários jogadores são selecionados para a Seleção Regional e Nacional nesse período, além disso: Conquistas, feitos históricos, grandes jogos e curiosidades, marcaram a grande geração dos anos de 1950 e o Esquadrão de 1955/56.
Na temporada de 1955 o SFC depois de uma participação mediana no Torneio Rio-SP terminando em 5º lugar, consegue a primeira grande conquista: o Campeonato Paulista de 1955. Competição que significou a redenção e uma reconstrução na história do clube. A campanha foi praticamente irretocável no certame estadual, foram 26 partidas (o campeonato era em turno e returno, pontos corridos, com 14 equipes), sendo 19 vitórias, dois empates e cinco derrotas. Os 71 gols anotados e a artilharia de Del Vecchio, com 23 tentos, eram a prova de uma vocação inequívoca do Santos. “O tal DNA ofensivo, tão falado hoje em dia, já dava sinais de sua existência naquela época”. O elenco de Vila Belmiro era formado principalmente, por: Manga ou Barbosinha no gol. Na linha defensiva: Hélvio, Feijó, Ramiro, Iván, Formiga, Urubatão e Zito (podendo jogar mais adiantado). Na linha ofensiva: Tite, Álvaro, Jair Rosa Pinto, Del Vecchio, Vasconcellos, Alfredinho e Pepe.

10533745_665326043550566_7402012217564436629_n

Em 1956 O Esquadrão do Santos FC comandado por Lula, composto a partir de 1955 já estava bem montado e postulando um grande futebol, e assim com praticamente a mesma equipe do ano anterior, conquistou o Bicampeonato Paulista com autonomia e brilhantismo, tornando-se a principal força do futebol paulista. A competição que embora fosse por pontos corridos, foi decidida entre Santos e SP que terminaram empatados, numa decisão bastante emocionante onde o SFC foi o grande campeão com a vitória de virada por 4 a 2 diante do Tricolor. A campanha de 1956 foi ainda melhor do que a de 1955, em 36 Jogos, foram 29 Vitórias, 04 empates e apenas 03 derrotas; com o ataque santista marcando 98 gols. O quadro santista de 1956 era extraordinário e sensacional, cedeu 6 jogadores para a Seleção Brasileira para a disputa da Copa América, foram eles: Jair Rosa Pinto, Formiga, Del Vecchio, Tite e Álvaro. Nesse mesmo ano de 1956 o clube obteve um Recorde Nacional! Sendo o único clube do Brasil a possuir 7 jogadores como campeões do Brasil, defendendo a seleção regional (Paulista): Ramiro, Formiga, Tite, Pagão, Del Vecchio e Pepe.
A extensão da base e espinha dorsal do quadro bicampeão paulista manteve-se até o ano de 1959, com novos jogadores que se integraram ao elenco vencedor, como Laercio, Pavão, Mourão, Pagão, Sormani e, sobretudo, o próprio Rei Pelé, que foi efetivado em 1957 e acabou artilheiro, em seu primeiro ano no Paulista. Entre os anos de 1958 a 1959 o SFC conquistou o Campeonato Paulista de 1958 e o Torneio Rio-SP de 1959, mais infelizmente o time deixou o primeiro Campeonato Brasileiro da história escapar, perdendo como favorito a decisão de 1959 para o Bahia. Entre 1957 e 1959 o SFC obteve o melhor ataque do futebol paulista, e o artilheiro da competição: Pelé, que conseguiria a façanha de 10 artilharias consecutivas, entre 1957 a 1969, no estadual. Em 1958 o ataque santista tornou-se o segundo a marcar mais gols em uma edição da competição (foram 143 gols), já em 1959 o quadro de vila Belmiro ficou marcado pelas excursões internacionais e pelas marcas e recordes mundiais. Nesta temporada, além de se tornar o ataque mais positivo da história do futebol paulista em uma edição (com 155 gols assinalados), o Peixe tornou-se o clube que mais marcou gols em uma temporada na história do futebol mundial (com incríveis 342 gols) e a equipe que mais jogou partidas em uma mesma temporada (99 jogos), em todos os tempos. Assim, a geração dos anos de 1950 é marcada por grandes apresentações nacionais e internacionais, conquistas e façanhas históricas conseguidas pelo clube, encerrando esta geração, que antecede a mais brilhante de todas, nos anos de 1960.
PLACAR 59

Referencias: Almanaque do Santos FC (Guilherme Nascimento), O Começo 1955 (Guilherme Guarche), Jornal Marca (Espanha), Gazeta Esportiva, Revista Lance, Placar e Tributo Sportivo.

One Response to Academia Santista: O Time de Branco (1955-1959)

  1. Roberto Dias Alvares says:

    Isso mostram-lhe é necessário dar tempo para que o trabalho frutifique. A diretoria do Santos deveria reunir-se com os técnicos de todas as divisões,padronizando um esquema tático que respeite o
    DNA ofensivo e priorize também os fundamentos. É inadmissível que um jogador chegue ao profissional sem saber cruzar, dar um passe ou sem saber arrematar de média e longa distancia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *