O milésimo gol do Rei Pelé!

Published On 19/11/2014 | Histórias, Jogos Históricos, Pelé
Por Gabriel Santana
Santos, 19/11/2014
Atualizado, 23/10/2017

19 de novembro de 1969, um dia que entrou para a história do futebol mundial.
Santos e Vasco se enfrentavam no Estádio Maracanã, pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa, em uma quarta-feira, diante de 65.157 pessoas.

O JOGO
O Alvinegro de Vila Belmiro tomou iniciativa logo no começo de jogo, tentando abrir o marcador. O Vasco estava bem recuado, jogando apenas no contra-ataque.
Aos 12 minutos, Pelé quase abriu o placar, ao aproveitar o cruzamento vindo da direita. 4 minutos depois, o Vasco abre o placar, com o meia-atacante Benetti. Percebendo a retranca do adversário, o Rei Pelé preferiu não forçar, pelo menos por enquanto, e estudava bem o adversário.
Aos 20 minutos, a torcida tem seu primeiro momento de delírio, com um chute forte de fora da área do maestro da camisa 10, que quase marcou de falta dois minutos depois. Já aos 33 minutos, em bela jogada do ponta esquerda Edu, Pelé cabeçou por cima do gol.
Mesmo com chances perdidas, o Rei estava tranquilo. Aos 35 minutos, enfatizando sua tranquilidade, preferiu dar um passe a Edu, do quer arrematar ao gol. E logo após esse lance, acertou um petardo no travessão. Parecia que nada estava a favor do melhor jogador do mundo.
Ao iniciar o segundo tempo, Pelé se mostra mais ofensivo, e parte para cima dos zagueiros vascaínos. Logo aos 5 minutos, driblou o zagueiro Fidélis e chutou desequilibrado, para fácil defesa do goleiro Andrada.
Os minutos foram passando, o Rei mostrava sinais de preocupação. Para a tranquilidade de todos, aos 10 minutos de jogo, o zagueiro Renê marcou contra para o Santos, em uma trapalhada com o goleiro.
Faltando pouco mais que 20 minutos para acabar a partida, Pelé não sorria, e os seus companheiros tratavam de ajudá-lo, fazendo belos lançamentos. Aos 31 minutos, foi extremamente agressivo em uma reclamação com o árbitro Manoel Amaro de Lima.
Milésimo Gol (13)34 minutos de jogo, pênalti para o Santos. O Maracanã ecoa apenas uma voz: “Pelé”, “Pelé”, “Pelé”. Ele corre para a cobrança, e não decepciona.
Ás 23 horas e 17 minutos, do dia 19 de novembro de 1969, uma quarta-feira, o Milésimo gol do Rei Pelé!
Sem soco no ar, sem grande vibração ou sorriso no rosto. Choro de criança. Edson Arantes do Nascimento, o maior jogador da história do futebol, acabara de marcar o milésimo gol de sua carreira, um fato que ficará marcado para sempre na história do mundo.
A distância até a marca do pênalti, por um instante, pareceu interminável.
O Maracanã se calou, e atenção ficou voltada apenas para Pelé, nada mais importava. Parado em frente a bola, já na marca do penalidade, começou a andar lentamente para a bola, deu três passos antes de apressar a marcha, como se fosse correr, elevou a perna direita para trás, em um movimento de corpo inteiro, e arrematou para o gol.
A sua companheira, a bola, atravessa a linha do gol aos exatos 34 minutos, 12 segundos e 9 décimos, para estabelecer a maior marca já vista de gols na história do futebol.
Antes de executar a cobrança, todos já gritavam gol. Ao balançar a rede, o Maracanã inteiro aplaudiu, enquanto a invasão no campo foi total, atrapalhando as solenidades da comemoração. Em meio a confusão, com os jornalistas que o cercavam, Carlos Alberto e Aguinaldo foram até o Rei, e o levantaram no ombro, para iniciar a volta olímpica, que se encerrou ao chegar no vestiário do Santos. O placar anunciava a substituição, Jair Bala no lugar do Rei.
Faltavam ainda 10 minutos para o jogo se encerrar, mas o espetáculo já estava terminado.
Ao término da partida, as cerimônias no gramado foram iniciadas com a apresentação da Banda dos Fuzileiros Navais, enquanto o locutor do Maracanã fazia uma exortação à Bandeira Brasileira, e os jogadores santistas e vascaínos voltaram ao gramado lado a lado, carregando a bandeira que Pelé se encarregou de hastear ao som do hino á bandeira.
Santos e Vasco foram saudados com fogos e palmas. A banda dos fuzileiros desfilou mais uma vez, terminando suas evoluções formando a frase: “Salve Rei Pelé”. Ainda no gramado, o Rei recebeu um diploma da FIFA, assinada pelo seu presidente, o senhor Stanley Rous.
O Milésimo gol do maior jogador da história do futebol. Um dia que ficará marcado para sempre nos anais da história. Podem passar séculos e séculos, que jogador igual a Edson Arantes do Nascimento nunca terá igual.
Milésimo Gol (5)– Ficha Técnica:
19/11/1969 – Vasco 1 x 2 Santos
Gols: Benetti aos 16min do primeiro tempo; Renê (c) aos 10min e Pelé aos 34min do segundo tempo.
Local: Estádio Maracanã, no Rio de Janeiro.
Público: 65.157 presentes
Renda: 253.275,25
Árbitro: Manoel Amaro de Lima
Vasco: Andrada; Fidélis, Moacir, Renê e Eberval; Fernando, Buglê e Benetti; Acelino (Raimundinho), Adílson e Danilo Menezes (Silvinho). Técnico: Célio De Souza
Santos: Aguinaldo; Carlos Alberto, Ramos Delgado, Djalma Dias (Joel Camargo) e Rildo; Clodoaldo e Lima; Manoel Maria, Edu, Pelé (Jair Bala) e Abel. Técnico: Antoninho

 


Fontes e Referências:
“Jornal, o Estado de São Paulo”;
“Jornal, Folha de São Paulo”;
“Jornal, A Tribuna”;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *