II. O protagonista da Era de Ouro

Published On 14/12/2015 | Artigos
Por Kadw Gommes
Santos, 14/12/2015

Chegamos ao período mais fabuloso da história do futebol global: Era de Ouro do Futebol Brasileiro (1958 a 1970). Nessa época, O Santos FC ajudou, contribuiu e formulou o Brasil a se tornar um país representativo no futebol mundial. O clube dominou o futebol nacional e internacional nos anos de 1960, onde foi campeão de tudo que existia mais de uma vez, diante dos melhores esquadrões postulados, com jogadores extraordinários, que através do futebol magico e excursões internacionais: mostraram, propagaram e difundiram ao mundo a essência do futebol brasileiro, o chamado “Futebol Arte”.
O SFC é o clube brasileiro com mais partidas internacionais, e o que mais enfrentou e venceu seleções estrangeiras diferentes, é também um dos poucos clubes do mundo a jogar em todos os continentes possíveis (Américas, Europa, África, Ásia e Oceania), além de ser o clube que mais excursionou no mundo: 76 países diferentes. Ao longo da história, o SFC transformou-se em um clube de um legado único e irrepreensível dentro do futebol, um “Globetrotters Brasileiro” e se estabeleceu como o grande embaixador do futebol nacional, e até mesmo de outros países, com sua filosofia de jogo, feitos históricos, façanhas diversas, recordes e marcas alcançadas, mostrando a pujança e opulência do seu valor inestimável.
Além de estabelecer a maior hegemonia da história do Futebol Paulista e Brasileiro, com 6 Campeonatos Brasileiros (1961/62/63/64/65/68) e 8 Campeonatos Paulistas (1960/61/62/64/65/68/69) numa década, cabendo ressaltar que eram as competições mais importantes – do mundo – na época, o SFC ainda foi o primeiro desbravador da américa, primeiro campeão da Copa Libertadores (na época chamada Copas dos Campeões da América) em confronto histórico com o esquadrão do Peñarol/URU, repetindo o feito no ano seguinte, batendo o Boca Juniors/ARG, em plena La Bombonera.
Os títulos Mundiais do Santos FC, foram os mais representativos de um clube brasileiro na história do futebol nacional e agregaram não apenas ao clube, mais ao futebol brasileiro na época. Diferente de hoje, o futebol brasileiro se encontrava em um processo de crescimento intangível, e para ser o maior necessitava também de um clube que representasse toda essa força e pujança – assim como ocorreu com o Barcelona e a Espanha atualmente –, e claro que o time que postulou essa confiança do povo e do esporte mais popular do país, abraçando o Brasil não poderia ser outro, se não o Santos FC.
Naquela época, o clube era apontado como o maior time do mundo (Gylmar, Lima, Mauro, Calvet e Dalmo; Zito e Mengálvio; Dorval, Coutinho, Pelé e Pepe), e a torcida do Peixe não era apenas composta de santistas, contava também com uma torcida nacional que credenciavam no SFC a sua representatividade no futebol do país, principalmente a torcida carioca. Concerne, que nas apresentações finais do Mundial Interclubes de 1963, o SFC tornou-se o único clube brasileiro a levar em 48 horas, nos dias 14 e 16 de novembro respectivamente, mais de 200 mil torcedores de clubes cariocas, simpatizantes do Peixe, ao Maracanã – para torcerem pela equipe santista nos jogos decisivos das finalíssimas diante do Milan. Outro acontecimento marcante, ocorreu também pelo Mundial de 1962, e não apenas pela torcida brasileira torcendo pelo SFC, também porque o programa oficial “A Voz do Brasil” alterou sua programação para que a mídia eletrônica pudesse transmitir o jogo: Santos 5×2 Benfica, disputado em Lisboa/POR.
O SFC foi o primeiro clube brasileiro com dominação no futebol internacional, conquistando vários títulos numa época. O primeiro clube, de fato conhecido mundialmente e respeitado mundo afora. Assim, como o primeiro a dominar o futebol nacional, com a maior hegemonia da história do futebol brasileiro e regional. Em 1969, aconteceu o ápice! O maior ato de nobreza do futebol mundial, da grandiosidade e importância do clube: o Santos Futebol Clube paralisou duas guerras na África!
O clube do DNA ofensivo, através das conquistas e excursões mundo a fora, se transformou no objeto diplomático do país, ajudando o Brasil a se tornar o país do futebol. Uma de suas contribuições mais importantes nesse processo, foi quando formou a base da Seleção durante toda a “Era de Ouro do Futebol Nacional” com os seguintes selecionados: Pelé (único jogador tricampeão mundial: 58/62/70), Zito (2), Mengálvio (1), Pepe (1), Coutinho (1), Mauro Ramos (capitão de 1962), Gylmar (1), Clodoaldo (1), Carlos Alberto Torres (capitão de 1970, fazendo do SFC o único com dois capitães campeões), Joel Camargo (1) e Edu (que foi o jogador mais jovem a participar de uma Copa, com 16 anos). Época esta, em que o país se tornou Tricampeão Mundial de futebol (1958/62/70) e obteve a conquista definitiva da Taça Jules Rimet.
Contudo, o Santos FC foi o clube Sul-Americano com mais convocações de campeões mundiais por uma Seleção (15 selecionados campeões) no Século XX. Ademais, podemos ver que as contribuições santistas foram além de ser base da Seleção Brasileira, se destaca também como o primeiro clube a representar o Brasil Internacionalmente com sumptuosidade, sendo o primeiro a alavancar várias conquistas internacionais num período (principalmente Libertadores e Mundiais), ou pelas excursões no globo terrestre, se tornando o clube que mais excursionou e propagou o futebol brasileiro no planeta, ajudando na popularização desse esporte até em outros países, como: França, China, Irlanda, EUA e outros, como veremos nos próximo texto – dando ao futebol uma parte dessa proporção que tem hoje.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *