Pelé – 1956-1974

Published On 09/03/2014 | Ex-Atletas, Ídolos, Pelé
Por Gabriel Santana
Santos, 09/03/2014
Atualizado, 22/12/2015
Dia 23 de outubro de 1940, aparentemente foi um dia comum, como qualquer outro. Porém, o nascimento de uma criança na cidade de Três Corações, situada em Minas Gerais, mudaria a história do futebol mundial.
O mineiro Edson Arantes do Nascimento, popularmente conhecido como Pelé, se tornou o melhor jogador da história do futebol.
Deu os primeiros passos no mundo da bola jogando pela equipe infanto-juvenil do Bauru Atlético Clube, o Baquinho, time de futebol amador da cidade de Bauru, em São Paulo. Conquistou o Bicampeonato da Liga Citadina em 1954 e 1955.
Descoberto por Waldemar de Britto, ex-jogador da Seleção Brasileira, foi levado para fazer testes no Santos, em 1956. Foi aprovado rapidamente, e muito bem recebido pelos jogadores mais velhos, recebendo o apelido de Gasolina. Após alguns meses de treinamento com a equipe profissional, fez sua estreia com apenas 15 anos de idade, no feriado da Independência do Brasil, no dia 7 de setembro. Goleada por 7×1, com Pelé marcando o 6º gol da goleada, diante do modesto Corinthians de Santo André.
Em 1957, o Santos faturou o Vice-Campeonato Paulista, e o Rei se tornou pela primeira vez o Artilheiro do Campeonato.
Repetiu o feito de goleador máximo do Campeonato Paulista por mais 10 vezes, oito delas seguidas, até 1965, e as outras duas em 1969 e 1973.
Aos 17 anos, oito meses e seis dias de vida, torna-se o jogador mais jovem a conquistar a Copa do Mundo na Suécia, em 1958. Ainda no mesmo ano, bate o recorde de gols numa única edição do Campeonato Paulista, com 58 marcados. Recorde que ainda permanece até os dias de hoje.
Na primeira excursão para a Europa com o Santos, no ano de 1959, encanta o mundo com suas jogadas extraordinárias e gols inimagináveis  Em agosto, marca o gol mais bonito de sua carreira, contra o Juventus, na goleada por 4×0. Aplicou 4 lençóis seguidos nos defensores, inclusive no goleiro, antes de completar para o gol, de cabeça.
Em 1961, em jogo válido pelo Torneio Rio-São Paulo, diante do Fluminense, Pelé deixa na saudade metade da equipe carioca, e ganha a placa com os dizeres: “Neste campo, no dia 5 de março de 1961, Pelé marcou o tento mais bonito da história do Maracanã”. A origem da expressão “gol de placa” não poderia ter surgido de uma maneira mais justa.
 A consagração e a confirmação da lenda do futebol, veio em 1962. Com o Santos, conquistou o Campeonato Estadual, o Campeonato Nacional, o Campeonato Sul-Americano e o Campeonato Mundial. E com a Seleção Brasileira, conquistou a Copa do Mundo. Ou seja, Pelé foi Bicampeão do Mundo em um mesmo ano.
A década inteira de 60 foi assim, com o Santos faturando todos os títulos possíveis, e Pelé reinando pelos gramados com a mágica camisa 10.
Até mesmo quando precisava atuar no gol, o mineiro de Três Corações não decepcionava. Em 4 oportunidades, jogou embaixo das traves, devido a contusão ou expulsão dos goleiros, e não levou nenhum tento.
Ao todo, juntamente com o Santos, conquistou 10 vezes o Campeonato Paulista, 6 vezes o Campeonato Brasileiro, 4 vezes o Torneio Rio-São Paulo, 2 vezes a Taça Libertadores, 2 vezes o Mundial Interclubes, uma vez a Recopa Sul-Americana e Recopa Mundial e 21 Torneios Amistosos.
Em 1974, realiza sua ultima partida oficial pela equipe santista, diante da Ponte Preta.
No ano seguinte, em 1975, atua pelo Alvinegro em um jogo beneficente, mostrando que ainda teria condições de jogo. Meses depois, acerta com o Cosmos, time dos Estados Unidos, em um grande projeto. Atua na América do Norte até 1977, onde se despede do futebol, com um amistoso entre Santos e Cosmos.
Realizou 1.116 jogos e marcou 1.091 gols pelo Alvinegro da Vila. É o jogador que mais atuou com o manto sagrado e o maior Artilheiro da história do clube.
Nada mais justo, o maior clube da história do futebol, ter o melhor jogador da história do futebol.
Jogos1.116
Gols1.091
Títulos pelo Santos:
1958 – Campeonato Paulista
1959 – Torneio Rio-São Paulo, Troféu Teresa Herrera, Torneio de Valência, Torneio Pentagonal do México e Torneio Mario Echandi
1960 – Campeonato Paulista, Torneio de Paris e Troféu Giallorosso
1961 – Taça Brasil, Campeonato Paulista, Torneio Itália, Torneio de Paris, Triangular da Costa Rica e Pentagonal de Guadalajara
1962 – Taça Libertadores da América, Mundial Interclubes, Taça Brasil e Campeonato Paulista
1963 – Taça Libertadores da América, Mundial Interclubes, Taça Brasil e Torneio Rio-São Paulo
1964 – Campeonato Paulista, Taça Brasil e Torneio Rio-São Paulo
1965 – Campeonato Paulista, Taça Brasil, Quadrangular de Buenos Aires, Torneio 4º Centenário de Caracas e Hexagonal do Chile
1966 – Torneio Rio-São Paulo
1967 – Campeonato Paulista e Torneio Triangular Florença-Roma
1968 – Campeonato Paulista, Torneio Roberto Gomes Pedrosa, Recopa Sul-Americana, Recopa Mundial, Pentagonal de Buenos Aires e Torneio da Amazônia
1969 – Campeonato Paulista
1970 – Torneio Hexagonal do Chile
1971 – Torneio de Kingston
1973 – Campeonato Paulista
1974 – Torneio Laudo Natel
Fichas Técnicas:
07/09/1956 – Corinthians-STA/SP 1 x 7 Santos
Gols: Alfredinho [2], Del Vecchio [2], Álvaro, Pelé e Jair Rosa Pinto; Vilmar
Local: Estádio Américo Guazzelli, em Santo André, São Paulo.
Competição: Amistoso – Troféu Independência (oferecido pela Prefeitura de Santo André)
Renda: Cr$ 39.910,00
Santos: Manga; Hélvio e Ivã (Cássio); Ramiro (Fioti), Urubatão e Zito (Feijó); Alfredinho (Dorval), Álvaro (Raimundinho), Del Vecchio (Pelé), Jair Rosa Pinto e Tite. Técnico: Lula
Corinthians: Antoninho (Zaluar); Bugre e Chicão (Talmar); Mendes, Zico e Chanca; Vilmar, não informado, Teleco (Baiano), Rubens e não informado.
– O Rei estreia aos 15 anos, e já deixa sua marca.
15/11/1956 – Santos 4 × 2 Jabaquara
Gols: Alfredinho, Del Vechio, Pelé e Zezinho; Albertinho [2].
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos.
Competição: Amistoso – Troféu Fraternidade (Aniversário do Jabaquara)
Santos: Barbosinha (Osvaldo); Fioti (Ari Silva), Wilson, Formiga e Feijó; Cássio (Zezinho) e Álvaro (Valdir); Alfredinho (Carlinhos), Del Vecchio, Pelé e Pepe.
Técnico: Lula
Jabaquara: Nelson; Sarno e Nei; Biguá, Wilson e Miguel (Delegildo); Hélio, Bugre, Melão, Araraquara e Albertinho.
– Primeiro jogo e o primeiro gol na Vila Belmiro.
07/12/1958 – Santos 6 x 1 Corinthians
Gols: Pelé aos 5min, aos 15min, aos 36min e Zague aos 41min do primeiro tempo; Pepe aos 7min, Pelé aos 28min e Pagão aos 36min do segundo tempo.
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos.
Competição: Campeonato Paulista
Renda: Cr$ 849.200,00
Árbitro: Esteban Marino
Santos: Manga; Ramiro e Dalmo; Getúlio, Urubatão e Zito; Dorval, Jair Rosa Pinto, Pagão, Pelé e Pepe. Técnico: Lula
Corinthians: Cabeção; Idário, Olavo e Oreco; Valmir e Roberto; Bataglia, Índio, Zague, Rafael e Tite
– 4 gols na sua maior vítima. Foram 50 no total.
02/08/1959 – Juventus 0 x 4 Santos
Gols: Pelé [3] e Dorval.
Local: Estádio Rua Javari, em São Paulo.
Competição: Campeonato Paulista
Renda: Cr$ 622.225,00
Público: 10.000
Juventus: Mão de Onça; Julinho e Homero; Lima, Clóvis e Pando; Lanzoninho, Zeola, Buzzone, Cássio e Rodrigues.
Santos: Manga; Pavão e Mourão; Formiga, Ramiro e Zito; Dorval, Jair Rosa Pinto, Coutinho, Pelé e Pepe. Técnico: Lula
– O gol mais bonito.
05/03/1961 – Fluminense 1 x 3 Santos
Gols: Pelé aos 3min e aos 40min (o gol da placa) do primeiro tempo; Pepe aos 7min e Jaburu aos 44min do segundo tempo.
Local: Estádio Maracanã, no Rio de Janeiro.
Competição: Torneio Rio-São Paulo
Renda: Cr$ 2.685.317,00
Público: 39.990
Árbitro: Olten Aires de Abreu
Fluminense: Castilho; Jair Marinho, Pinheiro, Clóvis e Altair; Edmilson e Paulinho; Telê, Valdo, Jaburú e Escurinho (Augusto e Paulo). Técnico: Zezé Moreira
Santos: Laércio; Fioti, Mauro, Dalmo e Calvet; Zito e Mengálvio (Nei); Dorval, Coutinho, Pelé e Pepe (Sormani). Técnico: Lula
– Neste jogo contra o Fluminense, o Rei driblou o cinco adversários e o goleiro. O jornalista Joelmir Beting pede que seu jornal, “O Esporte”, encomende uma placa de bronze em homenagem ao feito. A placa foi fixada no Maracanã e continua lá até hoje.
17/01/1962 – Alianza Lima 1 x 5 Santos
Gols: Coutinho [2], Dorval, Pepe e Tite; Zegara.
Local: Estádio Nacional de Lima , em Lima, Peru.
Competição: Amistoso
Renda: 753.160 soles peruanos
Público: 25.711
Santos: Laércio (Gilmar); Olavo e Décio Brito; Lima, Calvet (Getúlio) e Zito; Dorval, Tite (Mengálvio), Coutinho (Pagão), Pelé e Pepe. Técnico: Lula
– Em 1962, Pelé foi substituído em um amistoso no Peru, e a torcida peruana ao perceber, passa a vaiar a partida e ameaçava invadir o campo. Para evitar uma tragédia, o juiz pede a Lula que Pelé retorne ao campo.
11/10/1962 – Benfica 2 x 5 Santos
Gols: Pelé, aos 17 e 26 minutos do primeiro tempo; Coutinho, aos 3, Pelé, aos 20, Pepe aos 32, Eusébio, aos 41, e Simões aos 44 minutos do segundo tempo.
Local: Estádio da Luz, em Lisboa (Portugal)
Competição: Mundial Interclubes
Árbitro: Pierre Schinter (França)
Público: 73.000
Santos: Gilmar; Olavo, Mauro, Calvet e Dalmo; Zito e Lima; Dorval, Coutinho, Pelé e Pepe. Técnico: Lula
Benfica: Costa Pereira; Humberto, Raul e Cruz; Caven e Jacinto, José Augusto, Santana, Eusébio, Coluna e Simões. Técnico: Fernando Riera.
– Muitos dizem que foi a melhor exibição de Pelé.
01/11/1964 – Santos 11 x 0 Botafogo
Gols: Pelé aos 4min, aos 8min, aos 16min, aos 37min, aos 39min, Pepe (olímpico) aos 19min e Coutinho aos 24min do primeiro tempo. Pelé aos 25min, aos 26min e aos 28min, e Toninho aos 44min do segundo tempo.
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos.
Competição: Campeonato Paulista
Renda: Cr$ 14.210.800,00
Público: 9.437
Árbitro: Carlos Drumond da Costa
Santos: Gilmar; Ismael, Modesto, Haroldo e Geraldino; Lima e Mengálvio; Toninho, Coutinho, Pelé e Pepe. Técnico: Lula
Botafogo: Galdino Machado; Ditinho, Élio Vieira e Tiri; Carlucci e Maciel; Zuino, Alex, Antoninho, Adalberto e Gazze. Técnico: Oswaldo Brandão.
– O Jogo em que Pelé bateu seu recorde de gols em uma só partida, 8 gols em cima do Botafogo de Ribeirão Preto.
19/11/1969 – Vasco 1 x 2 Santos
Gols: Beneti aos 17min do primeiro tempo; René (c) aos 10min e Pelé aos 38min do segundo tempo.
Local: Maracanã
Competição: Torneio Roberto Gomes Pedrosa
Juiz: Manoel Amaro de Lima.
Público: 65.157 torcedores.
Santos: Agnaldo. Carlos Alberto Torres. Ramos Delgado. Djalma Dias (Joel) e Rildo. Clodoaldo e Lima. Manoel Maria. Edu. Pelé (Jair Bala) e Abel.
Técnico: Antoninho.
Vasco: Andrada. Fidelis. Moacir. Fernando e Eberval. René e Buglê. Acelino (Raimundinho). Adilson. Beneti e Danilo Menezes (Silvinho).
Técnico: Célio de Souza.
– O Milésimo gol.
22/09/1971 – Santos 1 x 2 Atlético Clube Três Corações
Gols: Adilson; Adilson e Iaúca
Local: Elias Arbex – Três Corações
Competição: Amistoso
Renda: Cr$ 94.000,00
Público: 14.000
Santos: Edvard; Carioca, Paulo, Roberto e Murias; Joel Camargo e Alexandre (Nelsi); Manoel Maria, Adilson, Pelé (Barga) e Fito. Técnico: Mauro Ramos de Oliveira
– Em 1971, o Santos esteve em Três Corações com um time misto, para as festividades em homenagem ao Rei Pelé.
02/05/1974 – Santos 3 x 0 Rio Negro-AM
Gols: Pelé aos 4min e Brecha aos 27min do primeiro tempo; Brecha aos 48min do segundo tempo
Local: Vila Belmiro
Competição: Campeonato Brasileiro
Árbitro: Maurílio José Santiago
Santos: Cejas; Hermes, Vicente, Bianchi e Zé Carlos; Léo Oliveira e Brecha; Fernandinho, Nenê, Pelé (Adilson). Técnico: Tim
Rio Negro: Borracha; Cabral, Zé Carlos, Biluca e Almir; Sabará, Jorge Cuíca, Alberi (Orauge), Serginho; Jorge Demolidor (Naldo) e Zezinho. Técnico: José Maria Morais
– Último gol em Urbano Caldeira.
22/09/1974 – Guarani 2 x 2 Santos
Gols: Pelé aos 10min e aos 30min(p) do primeiro tempo; Flamarion aos 35min e Amilton Rocha aos 40min do segundo tempo.
Local: Brinco de Ouro – Campinas
Competição: Campeonato Paulista
Renda: Cr$ 176.051,00
Árbitro: Edson Valter Pantozzi
Expulsos: Oberdan e Estevam
Guarani: Sergio Gomes; Odair, Estevam, Amaral e Claudio; Flamarion e Alexandre; Amilton Rocha, Afrânio, Jarbas (Washington), Darci (Gilberto).
Santos: Cejas; Wilson Campos, Marinho, Oberdan e Zé Carlos; Léo Oliveira e Brecha (Vicente); Claudio Adão, Adilson, Pelé e Edu (Mazinho).
– Último gol com a camisa do Santos.
02/10/1974 – Santos 2 x 0 Ponte Preta
Gols: Cláudio Adão, aos 30 minutos do primeiro tempo, e Geraldo (c), aos 11 minutos do segundo tempo
Competição: Campeonato Paulista de 1974/1º Turno
Renda: Cr$ 219.371,00
Público: 20.258 pagantes
Árbitro: Emídio Marquez Mesquita.
Santos: Cejas; Wilson, Vicente, Bianchi e Zé Carlos; Léo e Brecha; Cláudio Adão, Da Silva, Pelé (Gílson) e Edu. Técnico: Tim
Ponte Preta: Carlos; Geraldo, Oscar, Zé Luiz e Walter; Serelepe e Serginho; Adílson, Waldomiro, Waltinho (Brasília) e Tuta.
– E o último jogo oficial.
07/12/1975 – Bahia 1 x 1 Santos
Gols: Alberto aos 31min e Brecha aos 38min do segundo tempo.
Local: Estádio Fonte Nova, em Salvador, Bahia.
Público: 14.536
Renda: Cr$ 129.549,00 (Rodada dupla, na preliminar Atlético Mineiro x Remo)
Árbitro: Climamulte França
Santos: Willians; Tuca, Bianchi, Vicente e Fernando; Clodoaldo e Léo Oliveira; Babá (Mazinho), Cláudio Adão, Pelé (Brecha) e Toinzinho. Técnico: Olavo
Bahia: Joel Mendes; Ubaldo, Sapatão, Rodolfo e Juca; Baiaco (Alberto) e Fito; Tírson (Adílson), Douglas, Mickey e Caldeira.
– Pelé retornou especialmente para este jogo, mostrando que ainda estava em condições de atuar.
01/10/1977 – New York Cosmos 2 x 1 Santos
Gols: Reinaldo (Santos), aos 14 minutos; Pelé (Cosmos), aos 42, do primeiro tempo; Ramon Miflin (Cosmos), aos 4 minutos do segundo tempo
Estádio: Giants Stadium, em Nova York, EUA
Árbitro: Gino Hipólito
Auxiliares: Tonny Nobile e Tim Rossi
Cosmos: Messing (Yasin); Nelsi (Hunter), Roth, Carlos Alberto (B.Smith); Rildo (Formoso), Garbett (Vitor), Beckenbauer, Tony Field (Ord), Chinaglia; Pelé (Ramon Miflin) e Hunt (Oliveira).
Santos: Ernani; Fernando, Joãozinho, Alfredo e Neto; Zé Mário, Aílton Lira (Pelé) e Carlos Roberto; Nilton Batata, Reinaldo (Juary) e Rubens Feijão (Bianchi).
– Por fim, a Despedida do Rei, um jogo amistoso entre Santos e Cosmos.
Fontes e Referências:
Centro de Memória e Estatística do Santos;
Almanaque do Santos;
Livro “100 anos, 100 jogos e 100 ídolos”;

6 Responses to Pelé – 1956-1974

  1. Marcinho says:

    Muito Bom!! Excelente trabalho.

  2. Arouca says:

    Santos sempre Santos!!

  3. Pingback: E se fosse criado a Recopa da Copa do Mundo em 1920? Como tudo seria??? - Futebol Paulista

  4. Pingback: E se fosse criado a Recopa da Copa do Mundo em 1920? Como tudo seria??? - Futebol Paulista

  5. Pingback: Acervo Histórico do Santos FC | Mundial Interclubes – 1962

  6. Pingback: Acervo Histórico do Santos FC | Mundial Interclubes – 1963

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *