Rei do Norte e Nordeste!

Published On 22/12/2014 | Feitos Históricos
Por Gabriel Santana
Santos, 22/12/2014
Atualizado, 22/12/2015
No fim de 1946, o Santos embarcou para a maior excursão de sua história, até a presente data. Rumou para o Norte e Nordeste do Brasil, visitando as capitas dos seguintes estados: Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará, Maranhão e Pará.
A excursão durou mais de 2 meses, ultrapassando 1946 e chegando até 1947.  A grande maratona de jogos proporcionou até mesmo partidas no Natal e no Ano Novo. Disputou exatos 15 jogos, com a marca impressionante de 12 vitórias, 3 empates, 52 gols marcados e apenas 17 sofridos.
PERNAMBUCO
Na primeira partida da excursão enfrentou o América-RE, no Estádio dos Aflitos, em Recife. Vitória Alvinegra por 3×1, com show do atacante Caxambu, que marcou os 3 gols do triunfo! O América-RE era uma das principais equipes de Pernambuco, e já havia conquistado o hexacampeonato estadual.
Três dias depois, ainda em Recife, o Santos enfrentou o Santa Cruz, no Estádio Ilha do Retiro. Goleada santista por 4×0, e dessa vez quem comandou a vitória foi Adolfrises, com 3 gols marcados. Ainda nessa partida, o Alvinegro faturou uma Taça Comemorativa. Uma semana depois, no dia 8, o Santos enfrentou o Sport, no mesmo estádio. Empate por 0x0, e chegava ao fim a passagem santista pela capital de Pernambuco.
RIO GRANDE DO NORTE
De Recife para Natal. O primeiro adversário na capital do Rio Grande do Norte foi o Santa Cruz Esporte-RN, com uma vitória apertada por 3×2. Dois dias depois, no dia 17, vitória esmagadora diante de um dos principais clubes do eixo Norte-Nordeste! 6×0 no ABC-RN, no Estádio Juvenal Lamartine. O ABC havia conquistado recentemente o bicampeonato potiguar, em 1944-1945, e meses depois, conquistaria mais um título estadual em 1947. Era muito respeito em seu estado, e a goleada abalou a equipe.
De Vaney - Magistral Campanha (14) - CópiaCEARÁ
5 dias depois, o Santos já estava em Fortaleza, capital cearense. Confronto contra o Ceará, e mais uma goleada. 5×2 no Estádio Getúlio Vargas, em noite inspirada de Caxambu, que marcou 3 gols na grande vitória. 3 dias depois, dia 25 de dezembro, em pleno Natal, e o Alvinegro em campo. Jogo truncado diante do Ferroviário-CE, que terminou no empate por 2×2. Mesmo com a igualdade no placar, o Santos faturou uma Taça Comemorativa.
Encerrando a passagem pelo Ceará, dois jogos diante do Fortaleza, que acabara de ser Campeão Cearense invicto, e meses depois, faturaria o bicampeonato. O Alvinegro pouco se importou com o feito do time cearense, e aplicou duas goleadas. A primeira por 4×1, e a segunda, em pelo Ano Novo, no dia 1º de janeiro, por 4×0!
MARANHÃO
Depois da capital cearense, a próxima parada foi o estado do Maranhão. Três jogos na bela capital São Luís, no Estádio Santa Isabel. O primeiro adversário foi o Maranhão, no dia 5 de dezembro, com vitória santista por 3×0. Já no dia 8, a vítima foi o Sampaio Correia-MA. 5×1 com a dupla Adolfrises e Caxambu inspirada, com a marcação de dois gols cada um. Leonaldo fechou o placar.
O último adversário foi o atual tricampeão maranhense de 1944-1945-1946. Faturaria ainda os estaduais de 1947-1948-1949-1950, tornando-se Heptacampeão Maranhense seguido. Como era de se esperar, a partida foi muito disputada, terminando no empate em 2×2.
De Vaney - Magistral Campanha (15) - CópiaPARÁ
A última parada santista foi a capital do Pará, Belém! Enfrentou as três principais equipes paraenses e venceu todas! O primeiro embate foi diante do Tuna Luso-PA, no dia 18 de janeiro. Vitória santista de virada por 4×3. Depois de um descanso de 8 dias, situação rara nessa excursão, o Alvinegro enfrentou o atual Tetracampeão Paraense, o Paysandu. Com o Estádio da Curuzu lotado, o Santos não tomou conhecimento do supercampeão paraense, e o goleou por 4×1! Adolfrises foi o nome do jogo, com dois gols marcados.
A última partida santista da longa excursão, foi realizada no dia 2 de fevereiro, diante do Remo-PA. Jogo difícil e truncado, porém, outra vitória do time de Vila Belmiro, 3×2!
JOGADORES UTILIZADOS (19): 
15 jogos – Ruy, Osni, Artigas, Expedito, Nenê, Dacunto, Caxambu e Adolfrises
13 jogos – Pirombá e Zeferino
12 jogos – Ayala e Maracaí
10 jogos – Canhoto
08 jogos – Leonaldo
05 jogos – Castanheira
04 jogos – Alfredo
03 jogos – Antoninho e Dinho
02 jogos – Zezinho
ARTILHEIROS:
19 Gols: Caxambu
18 Gols: Adolfrises
04 Gols: Ruy e Zeferino
03 Gols: Maracaí
02 Gols: Leonaldo
01 Gol: Pirombá
01 Gol Contra: Juju
De-Vaney---Magistral-Campanha-(10)---Cópia

Na revista de De Vaney, “Magistral Campanha”, a biografia dos atuais jogadores santistas era um dos destaques

 

O PROFESSOR, ABEL PICABÉA

De Vaney - Magistral Campanha (4) - Cópia

O argentino Abel Picabéa foi o incumbido de comandar a equipe Alvinegra nesta grandiosa excursão. Grande parte do sucesso santista nessas belíssimas terras brasileiras, é devido a ele.
A vinda com o Santos para o Norte e Nordeste, foi a 3º passagem de Abel a estas regiões do Brasil. Mesmo sendo argentino de nascença, criou um imenso carinho com as terras brasileiras.
Abel é o treinador estrangeiro que mais dirigiu o Santos, com 71 jogos, 38 vitórias,  15 empates e 18 derrotas. Ficou na Vila Belmiro de 1946 até 1947.
PRINCIPAIS FICHAS TÉCNICAS
17/12/1946 – ABC-RN 0 x 6 Santos
Gols: Adolfrises aos 23min do primeiro tempo; Caxambu aos 17min e aos 41min, Adolfrises 29min e aos 35min e Zeferino aos 39min do segundo tempo.
Local: Estádio Juvenal Lamartine, em Natal, Rio Grande do Norte.
Competição: Amistoso
Renda: Cr$ 15.880,00
Árbitro: Durval Valente
ABC-RN: Costa; Dedito e Gagueiro; Harry, Zé Leão e Carrapicho (Joãzinho); Petro, Albino, Tidão, Jorginho e Geninho.
Santos: Osni (Zezinho); Artigas e Expedito; Nenê, Dacunto (Alfredo) e Castanheira; Pirombá, Canhoto (Zeferino), Caxambu, Adolfrises e Ruy. Técnico: Abel Picabéa
22/12/1946 – Ceará 2 x 5 Santos
Gols: Charutinho aos 3min, Pirombá aos 37min e Odilon aos 44min do primeiro tempo; Adolfrises aos 17min e Caxambu aos 37min, aos 42min e aos 44min do segundo tempo.
Local: Estádio Getúlio Vargas, em Fortaleza, Ceará.
Competição: Amistoso
Renda: Cr$ 36.000,00
Árbitro: José Nogueira
Ceará: Walter (Pintado); Saraiva e Popó; Ozéias, Odilon (Andrade) e Pereira; Balinha, Defeito, Charutinho, Lima e Mitotônio.
Santos: Osni; Artigas e Expedito; Nenê, Dacunto e Ayala; Pirombá, Canhoto (Zeferino), Caxambu, Adolfrises (Maracaí) e Ruy. Técnico: Abel Picabéa
08/01/1947 – Sampaio Correia-MA 1 x 5 Santos
Gols: Adolfrises [2], Caxambu [2] e Leonaldo; Giovani.
Local: Estádio Santa Isabel, em São Luís, Maranhão.
Competição: Amistoso
Renda: Cr$ 19.850,00
Árbitro: Durval Valente
Sampaio Correia-MA: Baltazar; Alírio e Serejo (Santiago); Reginaldo, Gegeca e Decadela; Bodinho, Vinícius, Giovani, Duó (Ferreira) e Piauí.
Santos: Osni; Artigas (Dinho) e Expedito; Nenê, Dacunto e Ayala; Zeferino (Pirombá), Leonaldo, Caxambu (Maracaí), Adolfrises e Ruy. Técnico: Abel Picabéa
26/01/1947 – Paysandu 1 x 4 Santos
Gols: Zeferino aos 16min, Adolfrises aos 24min e aos 26min do primeiro tempo; Caxambu aos 30min e Hélio aos 41min do segundo tempo.
Local: Estádio Curuzu, Belém, Pará.
Competição: Amistoso
Renda: Cr$ 28.000,00
Árbitro: Durval Valente
Paysandu: Aristeu (Simeão); Bria e Atênagoras; Berra, Manoel Pedro e Pedro; Cosmo (Bedelaque)(Farias), Aracati, Hélio, Guimarães e Sola.
Santos: Osni; Artigas (Dinho) e Expedito; Nenê, Dacunto (Alfredo) e Ayala; Pirombá, Leonaldo (Zeferino), Caxambu, Adolfrises (Maracaí) e Ruy. Técnico: Abel Picabéa
AO SAUDOSO DE VANEY
Na primeira página de seu livro, “A Magistral Campanha”, De Vaney escreveu as seguintes palavras: “Esta revista é sua, leitor amigo. Esta revista foi feita para você, para seus olhos, para seus sentimentos. Nela, você encontrará, em detalhes, o que foi a excursão realizada pelo Santos Football Club ao norte e no nordeste do país”
No último parágrafo, disse otimista: “Não sabemos quando será o dia em que você há de tornar ao folheio desta revista. Daqui a um ano? Daqui a 5 anos? Daqui a 10 anos? Não sabemos! Mas temos certeza de que será..”
Em 2014, 67 anos depois, estamos aqui para acompanhar sua obra, De Vaney! Obrigado por todos os serviços prestados ao Santos, e principalmente pela suas brilhantes obras.
Referências e Agradecimentos:
Revista “Magistral Campanha”, de De Vaney

Jornal “A Tribuna”
Wesley Miranda

Guilherme Guarche

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *