Tricampeão da América? Poderia ser Tetra, Penta..

Published On 27/01/2015 | Histórias, Memória Santista
Por Gabriel Santana
Santos, 27/01/2015
Atualizado, 07/03/2017

O Santos FC no seu período de ouro (década de 1960) conseguiu reunir grandes jogadores e formar esquadrões magníficos, tornando-se o primeiro clube brasileiro Bicampeão da Copa Libertadores da América em 1962/63. No entanto, para a epopeia e magnitude do que foi o Santos naqueles anos dourados, acabou sendo pouco, alguns fatores culminaram para que aquele Santos da década de 1960, o mais vencedor time da história, não tivesse dobrado seu número de conquistas.
Nas décadas de 1960 e 1970 o Santos rotineiramente costumava excursionar pelo mundo todo e com muita frequência ao longo dos anos, esbanjando com excelência como nenhum outro o seu futebol arte, bem jogado e ofensivo, sendo este um dos fatores que tornaram o clube mundialmente conhecido.
Iniciava suas excursões pelas Américas e depois passava para a Europa, enfrentando as melhores equipes e quadros, de cada país e até as Seleções Nacionais, e isso em intervalos muito curtos. Estendeu também sua rota de excursões pela África, Ásia e até a Oceania, a cada partida seu prestigio aumentava e mesmo se expondo bastante, voltava ainda mais endeusado, tornando-se assim, um grande embaixador do futebol brasileiro.
As longas viagens ocorriam pela necessidade de ganhar dinheiro e cobrir sua folha de salários, a mais cara do Brasil na época e por muito tempo, tinha de jogar seguidamente, às vezes chegando ao cumulo de sair do avião direto para o estádio. Alem é claro do prestigio mundial que as excursões davam ao clube, estas viagens ao redor do mundo, sempre proporcionaram ao clube um grande retorno financeiro, na época os valores eram exorbitantes e acabava sendo mais cabível e factível ao Santos FC excursionar do que disputar a Copa Libertadores da América.
Outros fatores que propiciaram a não participação do clube na competição Sul-Americana, foram às convocações de jogadores do clube a Seleção Brasileira e a fama da competição que na época costumava apresentar equipes violentas e de jogo sujo com péssimas arbitragens – fato que não mudou e continua até os dias de hoje.
A Copa dos Campeões da América (atual Libertadores) teve a sua primeira edição em 1960, reunindo os campeões dos respectivos países Sul-Americanos, com o Bahia, Campeão Brasileiro de 1959, sendo o 1º representante brasileiro na história da competição. Já o Santos que depois foi Pentacampeão Brasileiro consecutivo (entre 1961 a 1965), participou das edições de 196219631964 1965,





Taça Libertadores de 1966
Com a conquista de mais um Campeonato Brasileiro em 1965, o Santos obteve a vaga para participar da Copa Libertadores de 1966, porém, o time de Vila Belmiro recusou-se e preferiu excursionar pelo mundo, pois era bem mais proveitoso no sentido lucrativo. Aproveitando o ensejo, devido aos preparativos para a Copa do Mundo de 1966 na Inglaterra, a CBD entrou em acordo com o time santista, e não o inscreveu para a disputa, já que a Seleção contava com 7 atletas do Santos, alegando indispensáveis.
Essa edição da competição foi a primeira a incluir também os vice-campeões nacionais, e como a CBD era contra a inclusão das equipes vice-campeãs, entrou em conflito com os organizadores da Taça Libertadores e, na edição de 1966, além de não inscrever o Santos, também não inscreveu o Vasco, o Vice-Campeão de 1965, e o Brasil ficou sem representantes nesta edição fato que se repetiria.
Com tudo, o Alvinegro viajou rumo a África e as Américas, no período em que foi disputado a Libertadores de 1966.

Taça Libertadores de 1967
Como vice-campeão do Brasil de 1966, o Santos teria direito de disputar novamente a Libertadores. Dessa vez, apenas as Excursões pelo mundo foram as determinantes para que o time de Vila Belmiro não participasse mais uma vez da competição.
Novamente entrou em acordo com a CBD, e a entidade máxima do futebol na época, não inscreveu o time santista no Torneio. Nos meses da disputa, o Santos excursionou para a América do Sul e para a América do Norte.
Apenas o Cruzeiro, Campeão de 1966, foi inscrito na competição.

Taça Libertadores de 1969
Com mais um título do Campeonato Brasileiro, agora de 1968, o Alvinegro seria o principal representante brasileiro na Copa Libertadores da América de 1969. No entanto, o técnico da Seleção, João Saldanha, convocou 9 jogadores do Santos para as eliminatórias da Copa do Mundo de 1970, e aproveitando o desinteresse do Peixe, pela competição, visando as excursões internacionais a entidade máxima do futebol, fez um acordo com o time santista e assim, não o inscreveu na disputa.
No período onde se realizava a competição, o Santos excursionou para a mais famosa de suas excursões, que ocorreu na África, onde parou guerras e trouxe a paz, pelo menos por uns dias, para o povo africano.
O vice-campeão de 1968, o Internacional, também não foi inscrito, devido à falta de organização da CBD.

Fontes e Referências:
Almanaque do Santos;
Jornal Folha de São Paulo;

Jornal “A Tribuna” de Santos;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *