Urubatão – 1954-1961

Published On 12/11/2016 | Ex-Atletas, Ídolos
Por Gabriel Santana e Ronaldo Silva,
Santos, 12/11/2016

Urubatão Calvo Nunes, um dos melhores volantes da história do Santos.
Nascido em 31 de março de 1931, no Rio de Janeiuro, Urubatão iniciou sua carreira jogando pelo juvenil do Bonsucesso, em 1947, onde começou a chamar atenção dos grandes clubes brasileiros.
Seus ótimos desempenhos nos estaduais da categoria amadora do Rio, o credenciaram no time profissional, e teve a oportunidade de assinar seu primeiro contrato em 1950. Com toda sua disposição e preparo físico em campo, logo se tornou um dos líderes da equipe carioca.
urubatao-8

A contratação de Urubatão! (Foto/Jornal Mundo Esportivo)

No final de janeiro de 1954, a equipe santista o contratou para reforçar o seu meio de campo, ao lado de Zito e Vasconcelos.
Além de possuir extrema categoria no desarme, Urubatão também possuia boa qualidade técnica. Em sua posição, ele concorria com Zito, Formiga e Ramiro, ou seja, 4 grandes nomes para apenas dois atuarem. Para nenhum ficar de fora, o técnico Lula muitas vezes os distribuia em outras funções pelo campo. Urubatão por exemplo, atuou em alguns jogos como zagueiro, médio-direito e esquerdo, centromédio, meia-direita e esquerda. Foi também um dos coringas que a equipe santista teve em sua longa história.
Suas ótimas atuações o convocaram para a Seleção Brasileira e Seleção Paulista. Sua única partida com o uniforme canarinho aconteceu no dia 7 de julho de 1957, no estádio do Maracanã, diante da Seleção da Argentina. Neste dia, o jovem Pelé também realizava sua estreia pela Seleção. Urubatão entrou no decorrer da partida para substituir o companheiro Zito. Já pela Seleção Paulista, atuou em 1959.
Com o Alvinegro de Vila Belmiro, conquistou 4 Títulos Paulistas e um título do Torneio Rio-São Paulo. Formou no melhor time do mundo.
Após completar 30 anos, e passar 8 anos vestindo a camisa do Santos, transferiu-se para o América do México, em 1961. No mesmo ano, o jovem Lima, vindo do Juventus, chega ao elenco santista, e pode-se dizer, pela semelhança de versatilidade de ambos, que Lima o substituiu dentro do grandioso plantel do Alvinegro.
Antes de encerrar sua carreira, ainda atuou pelo Jabaquara, em 1963 e pela Ponte Preta, em 1964-1965.
Ao pendurar as chuteiras, tornou-se técnico, onde dirigiu diversas equipes, como o América-SP, Portuguesa, Noroeste, e o próprio Santos. Na equipe santista, teve a oportunidade de comandar o clube em 26 jogos, no ano de 1977.
Era visto como um grande motivador, e cobrava muito empenho dos atletas dentro de campo. Ficou conhecido pela celebre frase: “A historia nao fala dos covardes”. Mesmo quando dirigia os times considerados “pequenos”, sempre pregava sua disposição declarada pela vitória. Na época em que dirigiu o América de São José do Rio Preto, seus comandados passaram um bom tempo ganhando de todos os considerados times grandes, quando a partida era realizada no interior paulista.
Em 2007 trabalhou como radialista esportivo na equipe do Radar Esportivo, na Rádio Guarujá de Santos. Também desempenhou funções nas equipes de base santista, sendo um captador de talentos do Santos Futebol Clube.
Urubatão faleceu na cidade de Santos, no dia 24 de setembro de 2010, aos 79 anos, após um período de internação na Beneficência Portuguesa.

Principais Títulos:
1955 – Campeonato Paulista
1956 – Campeonato Paulista
1958 – Campeonato Paulista
1959 – Torneio Rio-São Paulo
1960 – Campeonato Paulista
• Jogos e gols:
1954 – 43 jogos 02 gols;
1955 – 45 jogos e 06 gols;
1956 – 40 jogos e 05 gols;
1957 – 56 jogos e 05 gols;
1958 – 56 jogos e 06 gols;
1959 – 35 jogos e 01 gol;
1960 – 36 jogos e 03 gols;
1961 – 08 jogos e 01 gol;
Total: 319 jogos e 29 gols.

Fichas Técnicas:
ESTREIA
12/02/1954 – Santos 3 x 2 Guarani
Gols: Álvaro (2) e Hugo – Isnar (2)
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos.
Competição: Amistoso
Renda: Cr$r29.320,00
Árbitro: Antonio Muzitano
SFC: Luiz; Hélvio e Cássio (Feijó); Urubatão, Formiga e Zito; Boca, Naldo, Álvaro, Hugo (Antoninho) e Tite. Técnico: Giuseppe Ottina
GFC: Dirceu; Waldir e Palante; James, Clovis e Saraiva; Dido, Nonô, Romeu, Renato e Ismar.
PRIMEIRO GOL
23/02/1954 – Santos 4 x 1 Ituano
Gols: Álvaro (2), Urubatão e Paulinho – Edson
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos.
Competição: Amistoso
Renda: Cr$r9.030,00
Árbitro: Pedro Calil
SFC: Luiz; Hélvio e Feijó; Gueguê, Urubatão (Cassio) e Zito (Toninho); Boca (Paulinho), Walter, Álvaro (Naldo), Vasconcelos (Fernando) e Tite (Carlinhos). Técnico: Giuseppe Ottina
CAI: Mão de Onça; Irenio e Tati; Fioti, Falco e Mario; Carneiro, Nelson, Edson, Carrega e Mickey.
ULTIMO JOGO
13/04/1961 – Vasco 2 x 1 Santos
Gols: Pepe; Sabará e Wilson Moreira.
Local: Estádio Maracanã, no Rio de Janeiro.
Competição: Torneio Rio-São Paulo
Publico: 74.155 (90.000 presentes)
Renda: Cr$ 5.478.542,00
Arbitro: Mário Barreto Nogueira
CRV: Ita; Paulinho, Bellini, Barbosinha e Coronel; Écio e Lorico; Sabará, Wilson Moreira, Roberto Pinto e Pinga (Da Silva). Técnico: Martim Francisco
SFC: Lalá; Mauro e Dalmo; Jorge (Getúlio), Calvet e Urubatão; Dorval, Mengálvio, Álvaro (Sormani), Pelé (Tite) e Pepe. Técnico: Lula

Fontes e Referências:
Site “Tardes de Pacaembu”;
Almanaque do Santos;
Jornal Mundo Esportivo;

Livro “100 anos, 100 jogos e 100 ídolos”;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *