Veludo – 1957-1958

Published On 20/01/2016 | Ex-Atletas
Nome completo – Caetano da Silva Nascimento (Veludo)
Período – 1957-1958
Posição – Goleiro
Nascimento –  7 de agosto de 1930, no Rio de Janeiro
Jogos – 24
Gols – 00
Histórico – Antes de iniciar sua trajetória futebolística, Veludo trabalhava como estivador no porto do Rio de Janeiro, mesmo ainda sendo jovem. Começou a treinar no Fluminense, e teve sua primeira chance na equipe principal em em 1949. Disputou a Copa do Mundo de 1954, e era considerado um dos principais goleiros brasileiros. Ficou nas laranjeiras até 1956, quando foi contratado pelo time de Vila Belmiro.
No Santos, disputou a camisa número 1 com os arqueiros Laércio e Manga, e devido a grande concorrência, nunca fui titular absoluto, apesar de ser um grande goleiro.
Disputou os primeiros jogos de 1958, e chegou a fazer parte da campanha vitoriosa do título paulista do mesmo ano.
Atuou ainda pelo Nacional/URU, Canto do Rio-RJ, Atlético-MG, Madureira-RJ e Renascença-MG, onde encerrou sua carreira em 1963.
ESTREIA
15/08/1957 – Santos 8 x 1 Guarani
Gols: Pelé [4], Pepe [2], Álvaro e Tite – Benê
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos
Competição: Campeonato Paulista – Fase Classificação
Renda: Cr$ 182.460,00
Público: calculado em 8.600
Árbitro: José Varela
SFC: Veludo; Hélvio, Mourão, Fioti e Brauner; Zito e Álvaro; Tite, Del Vecchio, Pelé e Pepe. Técnico: Lula
GFC: Nicanor; Valdir e Benê II; Dalmo, Joe Louis e Bassú; Friaça, Claudio, Vilalobos, Benê e Jansen.
ÚLTIMO JOGO
13/08/1958 – Santos 4 x 3 Ferroviária
Gols: Hélio [2], Álvaro e Pelé – Bazani, Liminha (p) e Baiano
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos
Competição: Campeonato Paulista
Renda: Cr$ 174.760,00
Árbitro: Elias Assad Simão
Expulsões: Elcias e Porunga (AFE)
SFC: Veludo; Getúlio e Dalmo; Fioti, Ramiro e Zito; Hélio, Álvaro, Pagão, Pelé e Dorval. Técnico: Lula
AFE: Rosã; Perunga e Elcias; Dirceu, Antoninho e Lourenço; Nivaldo, Liminha, Baiano, Valter e Bazzani.
Fontes e Referências:
Almanaque do Santos, de Guilherme Nascimento;
Site Terceiro Tempo, de Milton Neves;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *